ATRIBUIÇÕES DO FISIOTERAPEUTA FORENSE TRABALHISTA: UM NOVO CAMPO DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL

0
493

Attributions of forensic labor physical therapist: a new field of professional activity

Resumo

A Fisioterapia se difunde às inovadoras categorias de atuação. Dentre estas abrangências encontra-se a Fisioterapia Forense, na qual o profissional fisioterapeuta é nomeado a Perito Judicial afim de auxiliar o juiz na elucidação de questões relacionadas ao nexo causal entre patologia e atividades desempenhadas pelo reclamante. Tendo em vista o crescente aumento de acometimentos profissionais pelas LERs e DORTs, o âmbito trabalhista torna-se destaque da atuação do fisioterapeuta Forense. Descrever as principais atividades desempenhadas pelo fisioterapeuta Forense no âmbito trabalhista. Trata-se de um estudo de revisão bibliográfica e qualitativa. Foram utilizados periódicos, livros e monografias que atenderam aos critérios de inclusão estabelecidos. O período da coleta das informações aconteceu de fevereiro a abril de 2014, pelos pesquisadores. Fica evidenciado que a atuação do fisioterapeuta forense trabalhista está diretamente relacionada com a elaboração do nexo causal, bem como a avaliação do grau de funcionalidade e reabilitação do trabalhador, a prevenção de acometimentos funcionais juntamente com a ergonomia do local de trabalho. Dentre as principais atividades do fisioterapeuta forense em pleitos trabalhistas destaca-se a elaboração do nexo causal, através da interpretação ergonômica, biomecânica e cinesiológica, evidenciando a relação entre a patologia instalada e das atividades exercidas pelo trabalhador, contribuindo de forma fidedigna para a decisão final do jurista.

Descritores: Fisioterapia Forense, Fisioterapia do Trabalho, Atuação Fisioterapeuta.

Abstract

Physiotherapy diffuses to innovative performance categories. Among these are the Forensic Physiotherapy, in which the professional physiotherapist is appointed Judicial Expert in order to assist the judge in elucidating issues related to the causal nexus between pathology and activities performed by the claimant. In view of the increasing increase of occupational accidents by RSIs and DORs, the labor scope becomes a highlight of the work of the Forensic Physical Therapist. Describe the main activities performed by the Forensic Physical Therapist in the labor field. This is a bibliographical and qualitative review. Periodicals, books and monographs were used that met the established inclusion criteria. The period of data collection took place from February to April 2014, by the researchers. It is evidenced that the work of the forensic labor physiotherapist is directly related to the elaboration of the causal nexus, as well as the evaluation of the degree of functionality and rehabilitation of the worker, the prevention of functional affections along with the ergonomics of the work place. Among the main activities of the forensic physiotherapist in labor lawsuits is the elaboration of the causal nexus, through the ergonomic, biomechanical and kinesiological interpretation, evidencing the relation between the installed pathology and the activities carried out by the worker, contributing in a reliable way to the final decision of the jurist.

Descriptors: Forensic Physiotherapy, Physical Therapy of the Work, Acting Physiotherapist.

Por: Cristiane dos Santos Duarte, Luiz Faustino dos Santos Maia

1 -Fisioterapeuta. Pós Graduanda em Fisioterapia Traumato Ortopédica pela UNIP.

2 – Enfermeiro. Mestre em Terapia Intensiva pelo IBRATI. Especialista em Saúde Coletiva e Saúde da Família; Gestão e Auditoria dos Serviços de Enfermagem; Docência do Ensino Técnico e Superior na Área da Saúde e Enfermagem em Urgência, Emergência e Cuidados Intensivos. Experiência na área de Educação em Saúde, Ensino Superior e Profissionalizante em Enfermagem. Atualmente é docente teórico e prático do curso de Graduação em Enfermagem, Fisioterapia e Radiologia. Técnico Pesquisador do grupo Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde, Políticas Públicas e Sociais (NEPSPPS) da UNIFESP. Editor Científico da Revista Recien e Revista CIF Brasil.

Fonte: Revista Científica CIF Brasil. 2016; 6(6):34-42.

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*