BRONQUIOLITE INFANTIL

0
2510

A bronquiolite infantil é uma doença respiratória aguda frequente nos primeiros anos de vida, e durante o inverno e princípio da primavera, em que se afetam os bronquíolos, parte terminal dos brônquios.

Adultos e crianças maiores contraem bronquite; os bebês, bronquiolite. Pelo fato de seu aparelho respiratório não estar totalmente desenvolvido, bebês prematuros e menores de um ano correm risco maior de contrair a doença.

Cerca de metade dos bebês que contraem bronquiolite desenvolvem asma na infância.

Os sintomas da bronquiolite em crianças e bebês

Inicialmente acontece um quadro catarral com tosse e mucosidade; posteriormente afeta os bronquíolos manifestando-se clinicamente em forma de dificuldade respiratória. A criança provavelmente terá o nariz com muita mucosidade e febre baixa durante dois ou três dias. Logo, é provável que comece a tossir, a respirar rápido e com dificuldade, e a apresentar som de chiado no peito durante outros dois ou três dias.

Causas da bronquiolite

 

É uma infecção do pulmão causada por várias classes de vírus. Portanto é contagiosa. O vírus sincicial respiratório (VSR) é o principal agente causador de bronquiolite. Como já dissemos, produz-se um quadro catarral inicial e em pouco tempo depois, descem até ao pulmões, prejudicando os brônquios. Diz-se que somente afeta a crianças com menos de 1 ou 2 anos, porque neles, a parte terminal dos brônquios é muito pequena, facilitando a obstrução na presença de inflamação, impedindo a passagem do ar.

Tratamento da bronquiolite em crianças e bebês

Boa parte dos casos se resolve em casa. Em geral, inalações com soro fisiológico ajudam a desprender o muco e liberam o fluxo de ar. Além disso, água e leite materno afastam a desidratação. Nos episódios graves, doses de oxigênio (internação hospitalar) podem trazer alívio e rápida recuperação. A fisioterapia, para mover as secreções de muco nos brônquios é de importante valor. A maioria da crianças adoecem mais ou menos durante uma semana e depois se recuperam.

A fumaça do cigarro é muito prejudicial para essas crianças, por isso, se os pais são fumantes, devem abster-se de fumar perto delas. Medicação com broncodilatadores em aerosol nem sempre são eficazes. O melhor é consultar ao médico.

O que podem fazer os pais em casa contra a bronquiolite em crianças e bebês

Faça com que a criança tome líquidos. Não se preocupe se ela não tem vontade de comer alimentos sólidos.Use um vaporizador com água fresca (não muito fria) no quarto enquanto a criança estiver dormindo. Deixe que a água quente corra na ducha ou na banheira para fazer que o banheiro se encha de vapor e fique ali com sua criança em caso que esteja tossindo com força e tendo dificuldade de respirar.

Não dê aspirina ao seu filho. A aspirina está associada à síndrome de Reye, uma doença pouco frequente do cérebro e do fígado. E no caso de que o quadro não mude, não duvide em levá-lo logo ao médico.

O contágio da bronquiolite infantil

O contágio dá-se como num resfriado: através do contato com a saliva e o muco, e as crianças maiores geralmente não adoecem tanto como as pequenas. Pode-se prevenir o contágio mantendo a criança doente em casa até que a tosse tenha passado por completo. Procure lavar as mãos depois do seu contato com a criança doente para evitar que o vírus se estenda a outras pessoas.

A Fisioterapia na Bronquiolite

De forma geral, a bronquilite viral aguda é resolvida num período de dez dias aproximadamente, sendo muito importante o acompanhamento fisioterapêuto diário.A escola Européia crê que, em função da fisiopatologia desta doença, a atuação do fisioterapeuta é indiscutível, acelerando a resolução clínica, minimizando o tempo de internação hospitalar, evitando a necessidade de suporte ventilatório e a instalação de morbidades associadas. Através de manobras de higiene brônquica, drenagem postural e reexpansão pulmonar, a fisioterapia proporciona a eliminação de secreções evitando o desconforto respiratório prolongado e possíveis colapsos pulmonares (atelectasias)

Fonte: Guia Infantil

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*