CARACTERIZAÇÃO DAS HABILIDADES FUNCIONAIS NA SÍNDROME DE RETT

0
52

Characterization of functional abilities in Rett syndrome

 

RESUMO:

O objetivo deste estudo foi identificar as áreas de maior comprometimento nas habilidades funcionais na síndrome de Rett (SR). Foram avaliadas 64 pacientes que preenchiam os critérios para a forma clássica da doença, com idade entre 2 e 26 anos. Foi aplicado o Inventário de avaliação pediátrica de incapacidade (PEDI) que contém 197 itens nas áreas de autocuidado, mobilidade e função social. Dentre as 73 atividades da área de autocuidado, 52 (71,2%) não foram realizadas por qualquer paciente; na mobilidade, dentre as 59 atividades propostas, 8 (13,5%); e na área de função social, dentre as 65 atividades, 50 (76,9%) não foram realizadas por paciente alguma. O desempenho médio ajustado em escala de 0 a 100 para a área de autocuidado foi de 8,9/100, variando de 0 a 19; na área de mobilidade, foi de 30,2/100, variando de 1 a 44; e na de função social, 5,2/100, com variação de 0 a 14. Foi possível verificar fortes correlações entre a área de autocuidado e as de mobilidade e função social; no entanto, entre as áreas de mobilidade e função social não foi detectada correlação significativa. Infelizmente, devido à gravidade da síndrome, o menor comprometimento da mobilidade, comparado ao das áreas de autocuidado e função social, não traz vantagens adaptativas ou maior independência às pacientes com SR.

DESCRITORES: Autocuidado; Limitação da mobilidade; Relações interpessoais; Síndrome de Rett

ABSTRACT: The purpose of this study was to determine the areas of greater impairment in functional abilities of patients with Rett syndrome. Sixty-four patients aged 2 to 26 years old, who filled out criteria for the classic form of the disease, were assessed by the Pediatric Evaluation of Disability Inventory (PEDI) of which 197 items are grouped in the areas of self-care, mobility, and social function. From the 73 activities in self-care area, 52 (71.2%) were not accomplished by any patient; in mobility area, among the 59 proposed activities, 8 (13.5%); and in social function area, from 65 activities, 50 (76.9%) could not be accomplished. Adjusted mean results in a 0-to-100 scale were: self-care, 8.9/100, varying from 0 to 19; mobility, 30.2/ 100, varying from 1 to 44; and social function, 5.2/100, varying from 0 to 14. Strong correlations were found between self-care area and mobility and social function areas, but no significant correlation between the latter. Unfortunately, due to the serious impairment of the disease, the fact that mobility is affected to a lesser degree, as compared to self-care and social function, does not bring Rett syndrome patients any adaptive advantage nor greater independence.

KEY WORDS: Interpersonal relations; Mobility limitation; Rett syndrome; Self care

 

Por: Carlos Bandeira de Mello Monteiro1 , Zodja Graciani2 , Camila Torriani3 , Fernando Kok4

Estudo desenvolvido no Hospital das Clínicas da FM/ USP – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil

1 Prof. Dr. do Depto. de Fisioterapia das FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas, São Paulo, SP

2 Profa do Depto. de Fisioterapia da Universidade de Santo Amaro, São Paulo, SP

3 Profa. Ms. do Depto. de Fisioterapia das FMU

4 Prof. titular Livre Docente do Depto. de Neurologia da FM/USP

 

Fonte: Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.16, n.4, p.341-5, out./dez. 2009 / http://www.scielo.br

 

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*