COMO A FISIOTERAPIA ATUA EM PACIENTES COM DOENÇAS CARDÍACAS?

0
1884

Fisioterapia é parte importante no processo de reabilitação cardiovascular. Entenda.

A reabilitação cardiovascular compreende um conjunto de atividades relacionadas à melhoria do bem-estar físico, social e mental para pessoas com problemas relacionados ao sistema cardiocirculatório, tais como: infarto no miocárdio, insuficiência cardíaca, cirurgias cardíacas, doenças arteriais periféricas, coronariopatias, doenças cardíacas congênitas, entre outras. No programa de reabilitação, o paciente deve ser acompanhado por um médico cardiologista para diagnóstico e acompanhamento clínico adequado, bem como adequação do uso dos medicamentos.

O fisioterapeuta tem um papel importante e fundamental nesses programas, objetivando melhorar a capacidade funcional desses pacientes, ou seja, um melhor desempenho cardiovascular  nas atividades da vida diária e no trabalho. A reabilitação cardíaca é subdividida em duas etapas: fase hospitalar e após a alta hospitalar. No hospital, os pacientes são assistidos de acordo com protocolos assistenciais específicos e individualizados através de uma avaliação fisioterapêutica detalhada. Após a alta eles são encaminhados para atendimento em ambiente ambulatorial.

Comumente, ao chegar em um programa, o paciente será avaliado pelo fisioterapeuta que irá fazer testes específicos para avaliação do seu desempenho funcional. Entre esses testes, podemos citar o de caminhada de seis minutos que avalia de forma submáxima como é o desempenho do indivíduo durante uma caminhada em ambiente controlado e com monitorização das pressão arterial, frequência cardíaca, oxigenação do sangue etc. Esse teste deve ser realizado por um profissional capacitado, em ambiente seguro. Avaliações da capacidade respiratória, desempenho físico, aplicação de questionários sobre a qualidade de vida podem também ser realizados. Essa avaliação irá nortear a conduta do fisioterapeuta e o acompanhamento de melhora clínica do indivíduo.

Após isso, será iniciado um programa individualizado de fisioterapia com atividades aeróbicas, condutas para melhorar a força e desempenho muscular periféricos e exercícios específicos para ganho de força muscular respiratória, se necessário. Podem ser prescritos também pelo fisioterapeuta aparelhos coadjuvantes para ganho na expansão pulmonar, estimulação elétrica neuromuscular para melhorar o desempenho de alguns grupos musculares durante o tratamento e até o uso da ventilação não invasiva como terapia auxiliar durante o exercício aeróbico em pacientes específicos.

Referências:

Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva.www.assobrafir.com.br

Autor(es)

  • Luciana Bilitário / CREFITO 41600 FGraduada pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (2001) Coordenadora do Curso de Fisioterapia da BAHIANA, Docente UNEB, Tutora da Residência Multiprofissional (Núcleo UTI) SESAB/UNEB/HSI Mestre em Medicina e Saúde Humana Especialista em Fisioterapia Respiratória (Assobrafir 2010), Fisioterapia em UTI (2002). Metodologia do Ensino Superior (2004)

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*