Áreas de AtuaçãoSaúde Geral

CONHEÇA A DIFERENÇA ENTRE FRATURA E TORÇÃO DE TORNOZELO

No Brasil, chegamos às 18 mil entorses (torções) de tornozelo por dia

 

Torções de tornozelo são muito comuns em pessoas que praticam atividades físicas ou que caminham sem rumo.

Quantas vezes você não deu aquela torcidinha no tornozelo e deixou para lá? Botou um gelinho em cima, uma compressa para abafar a região e não se perguntou como, de fato, era a tal torção? Isso é mais comum – e inadequado – do que se imagina. Para se ter noção da gravidade do assunto, vamos aos números: No Brasil, segundo uma pesquisa do ortopedista Marcelo Tostes (SP), chegamos às 18 mil entorses por dia – ou 750 entorses por hora. Por isso é bom dar mais atenção e evitar o movimento forçado – ou alucinado – do tornozelo.

Já o ortopedista Marcelo Loquette aponta que caminhadas sem rumo, jogos esportivos em terrenos irregulares, falta de alongamento antes das atividades físicas, e sedentarismo são os principais fatores para a entorse do tornozelo. “Quando torcemos o tornozelo, há um estiramento abrupto dos ligamentos que compõem essa articulação, podendo levar a uma ruptura ligamentar, ou até uma fratura óssea”, declara o médico.

E por que não se deve ignorar aquela torção básica, adquirida quando você tava indo da sala para a cozinha? “A lesão ligamentar mal tratada pode gerar instabilidade do tornozelo, dor crônica e seguidas entorses de repetição. Já quando temos uma lesão óssea, a negligência do tratamento pode gerar falha de consolidação, com inchaço contínuo, dor e incapacidade de movimentação”, completa o médico.

Por isso que, muitas vezes, algumas pessoas costumam torcer o pé várias vezes ao ano, chegando ao ponto de sempre precisar enfaixar ou imobilizar. “Isto é especialmente observado em pessoas que, após a primeira entorse, não realizaram a reabilitação fisioterápica recomendada. A fisioterapia após uma entorse visa a analgesia (melhora da dor), ganho de propriocepção (sensibilidade ao toque), ganho da amplitude do nosso arco de movimento e reforço muscular”, declara.

Amenizando

Há algo que possamos fazer para minimizar os danos ao tornozelo na hora da torção? Segundo o médico, há sim. “Podemos utilizar algumas imobilizações, como órteses que mantém o tornozelo mais firme dentro do calçado, bem como confeccionar uma ‘botinha’ de esparadrapo, o que dá uma segurança muito maior para a realização de práticas esportivas”, aponta.

Para quem torceu o pé e precisou de fato imobilizá-lo, as lesões mais leves podem melhorar de 3 a 5 dias com medicação anti-inflamatória, gelo e repouso. “Nas lesões mais graves, é necessário por vezes a realização de 2 semanas de imobilização. As lesões ósseas (fraturas) requerem 1 mês de repouso, seguidas de fisioterapia”, destaca Loquette.

E como é que podemos saber se foi só torção e não fratura? Quais as características de uma e de outra? “Existem critérios que norteiam para fratura óssea após uma entorse de tornozelo, tais como incapacidade de permanência sobre o membro acometido; dor à palpação óssea; incapacidade de dar 4 passos seguidos”, encerra.

Mario Cesar – Preparador de goleiros

“Eu rompi o ligamento do tornozelo direito jogando o Campeonato Amazonense de 2003, na época jogava pelo Nacional. Fui fazer uma defesa, minha chuteira travou na grama, e meu peso foi todo em cima do tornozelo. Fiquei três meses parado, fazendo tratamento com fisioterapia e trabalho de hidroginástica. Meu tornozelo ficou inchado, então tive que diminuir o hematoma com compressa de gelo. Depois bati uma ressonância e foi detectada uma lesão no ligamento. O médico disse que tentaria fazer o tratamento com fisioterapia, caso não tivesse resultado, teria que fazer cirurgia. Porque se rompesse mesmo, eu teria que ficar de 6 a 8 meses parado, por conta da intervenção cirúrgica. Como sou preparador de goleiros de um time profissional, preciso ter muita firmeza no tornozelo. Sempre antes do jogo e treino eu coloco ataduras e faço uma bota em torno do tornozelo. E toda noite, após o jogo ou treino, faço uma compressa com gelo, intervalando três vezes de 20 minutos”.

PorLaynna Feitoza

 

Fonte:  Acritica

Tags
Mostrar mais

Fisioterapia.com

Encontre no Portal Fisioterapia.com uma grande variedade de notícias, artigos, oportunidades e serviços exclusivos para Profissionais e Acadêmicos de Fisioterapia ou interessados pela área.

Publicações relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close