CORRER NA PRAIA NECESSITA DE CUIDADOS PARA NÃO MACHUCAR O QUADRIL

0
1438
Young woman running alone on the beach

As lesões no quadril variam em média de 3 a 11% do total de traumatismos nos membros inferiores e geralmente são causadas por microtraumas de repetição. Geram sobrecarga excessiva nos tecidos, sem que eles tenham tempo suficiente para cicatrização.

Correr na areia, tanto a fofa quanto a mais firme perto do mar, é indicado para o quadril, mas muitos cuidados devem ser observados, por causa do desnível do terreno. O atleta faz mais força, necessita manter mais consciência de movimentos, postura e equilíbrio, colocando mais força no quadril.

“Correr no desnível pode ter efeito como se um membro inferior fosse menor que o outro por conta do desnível da praia. Isso pode gerar sobrecarga mecânica e dor nos membros inferiores, no quadril e pelve”, afirma o médico ortopedista Giancarlo Polesello, especialista em cirurgia do quadril, professor e chefe do Grupo de Afecções do Quadril da Santa Casa de São Paulo.

Para aliviar a tensão nessa região do corpo, o médico recomenda que os praticantes façam exercícios que melhorem a propriocepção e fortalecimento da musculatura em torno do quadril e da pelve antes de aventurar-se por esse tipo de terreno.

Mesmo na praia, o corredor deve usar o tênis. Quem corre descalço pode machucar os pés e a absorção da carga axial que vem do solo em direção ao corpo é maior.

Antes de começar a correr, realize uma boa avaliação funcional e prepare seu corpo para a atividade. Estes cuidados vão contribuir muito para a longevidade da corrida e evitar afastamento por lesões.

Por :Dr. Giancarlo Polesello

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (1989) , residência médica no Hospital Heliópolis em cirurgia geral (1990), residência em ortopedia e traumatologia na Santa Casa de São Paulo (1991-1994); aperfeiçoamento em oncologia ortopédica e cirurgia do Quadril pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1995).

Fonte: Segs

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*