EXTUBAÇÕES ACIDENTAIS CHEGAM A 0 NA UTI PEDIÁTRICA E PROFISSIONAIS DE FISIOTERAPIA SE DESTACAM EM EVENTO CIENTÍFICO

0
1413

No 14º Congresso Paranaense de Medicina Intensiva, realizado de 09 a 12 de agosto, em Curitiba, as fisioterapeutas Valéria Neves e Roberta Cunha, em coautoria com as residentes Michele Aparecida Marques, Thalita Cogrossi do Nascimento e Karize Rafaela Mesquita Novakoski e a mestranda Camila Gemin receberam o 2º lugar na categoria “tema livre” pelo relatório Prevenção e Controle de Extubação Acidental. Em setembro, na UTI Pediátrica, unidade onde o estudo foi levantado, as extubações acidentais chegaram a 0, ou seja, quando o tubo inserido na traqueia é removido em momento não planejado.

Segundo Valéria, essa taxa mede a qualidade da segurança do paciente. “Mesmo com as dificuldades que enfrentamos, a UTI mostra uma assistência de qualidade. A medida deve ser progressiva, então vamos continuar com esse trabalho. Não é algo restrito à fisioterapia; é uma vitória em equipe”, afirma.

O treinamento consiste em orientações de rotina e implementações de protocolos: formas de fixar o tubo e o que fazer quando acontecer a extubação. Os efeitos colaterais dependem da situação do paciente. A reintubação, um procedimento invasivo, sempre é de caráter emergencial.

Karize Novakoski acredita que a experiência será de grande ajuda para o futuro. “Com o ganho profissional, quem sabe, pode-se levar essas questões de segurança do paciente pra outras instituições que ainda não tenham adotado”, diz.

Pesquisa

A tese de doutorado de Valéria tem o objetivo de criar uma padronização de prevenção e controle da extubação acidental.

De janeiro a julho de 2016, 73 pacientes foram intubados na UTI Pediátrica; destes, 24 extubaram-se acidentalmente. Crianças com 12 meses de idade, 8,5 kg de peso e 13,5 dias de entubação foram analisadas. Não houve distinção entre os gêneros.

“Comparamos a quantia de eventos adversos com os métodos de prevenção, fizemos um levantamento e uma investigação para verificar as causas, mostramos nossos números e ações. O estudo foi premiado por essa razão: como a mudança de comportamento dentro da unidade reduziu sucessivamente a quantidade de extubações acidentais. Em setembro, chegamos a 0”, conta.

O que pode causar a extubação acidental?

Para Valéria, são diversos fatores. “Acredito que é um erro do processo; estamos investigando para melhorarmos esse quadro”:

– Paciente pode estar agitado;

– Posicionamento pode não ser o adequado;

– Forma como o paciente é manuseado e sedado; e

– Maneira de fixar o tubo na via aérea do paciente.

Algumas medidas educacionais são de grande auxílio. “Deve-se notificar quando isso acontecer e relatar o que houve para que a equipe analise as causas”, finaliza Valéria.

equipe_premiada

foto_evento

Fonte: hc.ufpr. ( Hospital de Clínicas – Universidade Federal do Paraná )

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*