FISIOTERAPEUTA AUTÔNOMO: 6 DICAS PARA SUPERAR OS DESAFIOS DO DIA-DIA

0
1813

Você já pensou em trabalhar como fisioterapeuta autônomo? Reunimos, neste artigo, algumas dicas para seguir esse caminho de atuação, os principais desafios, mercado de trabalho, documentação necessária para atuar como profissional liberal, entre outros aspectos fundamentais.

O trabalho como fisioterapeuta autônomo tem sido uma boa opção, sobretudo para os profissionais que ainda estão ganhando experiência ou ingressaram recentemente no mercado de trabalho, podendo ser perfeitamente conciliado com o trabalho formal em entidades públicas, privadas e ONG’s. Acompanhe, abaixo, 6 dicas para enfrentar os desafios cotidianos dessa área:

1. Entenda a diferença entre profissional autônomo e profissional liberal

Diante do atual mercado de trabalho, muitos fisioterapeutas têm optado por trabalhar de maneira autônoma, com independência financeira e horários de trabalho mais flexíveis. Não obstante, é comum que esses profissionais tenham sérias dúvidas ao iniciar sua carreira como profissional liberal. Antes de qualquer coisa, é necessário entender a diferença entre trabalhadores autônomos e profissionais liberais.

De maneira simplificada, pode-se dizer que todo profissional liberal é autônomo, mas nem todo autônomo é um profissional liberal. Ou seja, nem todo autônomo é considerado um profissional liberal, porque esse último precisa estar registrado em um conselho profissional e possuir formação técnica ou acadêmica em sua área de atuação.

Profissionais autônomos, por sua vez, atuam de forma independente em determinado setor, mas não necessariamente têm uma formação específica.

Como é necessária formação acadêmica para atuar na área de fisioterapia, todo fisioterapeuta autônomo é, portanto, um profissional liberal. É preciso, dessa forma, ser devidamente formado e ter autorização do Conselho Regional para atuar profissionalmente.

2. Conheça os desafios gerais de quem trabalha como autônomo

A liberdade proporcionada pelo trabalho como autônomo traz alguns aspectos negativos em relação a certas questões, se comparada com a situação dos trabalhadores com carteira assinada. Um profissional autônomo não recebe direitos trabalhistas como férias, décimo terceiro salário ou FGTS, além de enfrentar períodos sazonais como as férias de fim de ano.

Os desafios, entretanto, não param por aí, pois um profissional autônomo ou liberal deve ter conhecimento em diversas áreas, tais como gestão de processos, administração, marketing etc. Nesse tipo de atuação profissional, além de todos os desafios citados, o próprio trabalhador deve cuidar de conseguir seus primeiros trabalhos e lidar diretamente com diversos empregadores distintos.

Os ganhos com o trabalho autônomo, assim como o trabalho assalariado, devem ser devidamente declarados ao final de cada ano trabalhado, assim como devem ser pagos os mesmos impostos sobre renda ao Governo Federal. Os pacientes, por sua vez, necessitarão de algum comprovante de pagamento relativo às sessões de fisioterapia, seja na forma de nota fiscal ou recibo.

3. Saiba cobrar por seu trabalho como fisioterapeuta autônomo

Além do atendimento em domicílio, muitos profissionais de fisioterapia investem no próprio espaço para receber seus pacientes. Esse mercado vem crescendo cada vez mais. Grande parte dos profissionais em início de carreira tem dúvidas de como cobrar por esse tipo de serviço feito na residência do paciente ou no escritório particular.

A melhor maneira de estabelecer uma média de quanto cobrar por seu trabalho é realizar uma pesquisa com os concorrentes e informar-se sobre o valor que cobram pelo atendimento. Como em qualquer área, o profissional iniciante deve cobrar um pouco abaixo da média dos profissionais com mais experiência, para ter um atrativo.

Outros fatores relevantes a serem considerados são os gastos que você tem com a manutenção do escritório, deslocamento, material, cursos ou faculdade, por exemplo. Tudo isso deve estar somado e devidamente detalhado no seu planejamento financeiro.

Formas de cobrança

O ideal é contratar um serviço que possa fazer as cobranças necessárias por você, o que certamente vai poupá-lo de muito incômodo e evitar que você perca a postura profissional durante o ato da cobrança.

Estabeleça um sistema de pagamento seguro com o paciente, de modo que você tenha o direito de vender a dívida ou cobrá-la na justiça em casos de inadimplência.

Hoje em dia existem formas bastante cômodas de efetuar o pagamento de serviços, como as transferências e contas online, que facilitam também na hora de efetivar a transação bancária.

A maior parte dos profissionais de saúde autônomos trabalha com dinheiro efetivo e cheques em situações em que o paciente precisa fazer o pagamento parcelado.

4. Organize seus horários

Um profissional liberal ganha dinheiro de maneira proporcional à sua produtividade, de modo que o controle dos horários deve ser meticuloso. Para manter uma organização eficiente e eficaz dos seus horários de trabalho, a tecnologia pode ser sua aliada. Hoje em dia, diversos aplicativos são capazes de ajudar no gerenciamento de tarefas.

Caso o profissional autônomo encontre muita dificuldade para estabelecer uma agenda produtiva, vale a pena contratar um coach ou outras formas de assessoria.

5. Ofereça qualidade no atendimento

A satisfação dos pacientes e o bom resultado do tratamento devem ser sempre as metas principais do trabalho realizado por um fisioterapeuta. Quem já atuou na área sabe que pessoas em tratamento fisioterápico frequentemente enfrentam algum impacto psicológico devido à perda de algumas habilidades como caminhar ou, ainda, fortes dores.

Prestar um atendimento de qualidade para os pacientes exige que o fisioterapeuta esteja ciente dessas questões e preparado para lidar com elas. O bom atendimento requer mais do que habilidades técnicas e conhecimento científico: demanda a capacidade de entender e ajudar o paciente.

6. Atraia novos leads

Um dos grandes desafios de todo profissional iniciante, sobretudo os autônomos, é conseguir seus primeiros pacientes. O trabalhador que pretende gerir sua própria carreira deve conhecer estratégias de gestão, marketing e vendas, ou contratar serviços de empresas especializadas que possam auxiliá-lo nesses aspectos.

O fisioterapeuta autônomo vende um serviço de cuidados e, como qualquer tipo de serviço ofertado, deve ser divulgado para seus empregadores em potencial. Atualmente existem diversas empresas especializadas em prestar esse tipo de assessoria às empresas e também aos profissionais autônomos.

Criar um site apresentando o trabalho de fisioterapia, sua formação e dados para contato pode ser uma maneira muito eficiente de atrair possíveis consumidores do seu serviço.

Trabalhar como fisioterapeuta autônomo e atrair seus primeiros pacientes exige certo investimento. Então não hesite na hora de pagar por um bom trabalho de coaching ou consultoria nos diversos setores sobre os quais cabe a você, como profissional liberal, ter domínio.

Fonte: http://blog.idecursos.com.br

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*