FISIOTERAPEUTA: PROFISSIONAL LIBERAL OU AUTÔNOMO?

0
1004

Atualmente, muitos fisioterapeutas trabalham por conta própria, com independência financeira e horários mais flexíveis comparado com aqueles que possuem carga horária fixa e jornada determinada. Porém, é muito comum encontrarmos erros na caracterização do profissional que trabalha por conta, no caso aqui, o fisioterapeuta.

Há uma diferença básica em ser autônomo e ser profissional liberal. Veja abaixo:

O profissional autônomo pode ser qualquer pessoa, que tenha ou não uma qualificação profissional, mas sempre trabalha por conta própria.

O profissional liberal tem formação universitária ou técnica e tem liberdade técnico-científica para executar a sua atividade, ou seja, é sempre de nível universitário ou técnico. Também está registrado em uma ordem ou conselho profissional e é o único que pode exercer determinada atividade, o que o deixa com uma responsabilidade maior pelo produto de seu trabalho.

No caso do Fisioterapeuta, ele é habilitado através de um curso de graduação e registro no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (CREFITO) e no Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO).

É importante ressaltar a diferença, pois ser profissional liberal constrói a importância do exercício pleno da profissão.

Apesar de não precisarem de vínculo empregatício para trabalhar, ou seja, da famosa carteira assinada, os serviços prestados por profissionais liberais autônomos precisam ser comprovados e tributados. Portanto, a maneira mais simples e segura de conseguir controlar todos os profissionais autônomos é através das notas fiscais.

Como emitir as NFs?

O primeiro passo é realizar o cadastro de profissional liberal na prefeitura da sua cidade. Em muitos municípios esse cadastro já pode ser feito de maneira eletrônica, através do site, mas ainda existem alguns casos em que os registros devem ser feitos na própria prefeitura. Normalmente, é necessário preencher alguns formulários colocando seus dados pessoais, como domicílio, CPF, dentre outros, e então pagar a taxa de inscrição municipal. Vale lembrar que o processo pode mudar de acordo com a sua prefeitura, por isso, o mais importante é verificar caso a caso. Assim, não tem erro!

Quando e por que emitir?

O cenário ideal é quando o profissional liberal já formalizou seus serviços como empreendedor autônomo através da consolidação de uma pessoa jurídica, emitindo notas fiscais normalmente, de acordo com a lei. No entanto, sabemos que, infelizmente, a burocracia acaba se tornando um obstáculos para muitos profissionais, que preferem emitir notas de maneira avulsa na própria prefeitura. Nesses casos, a emissão deve ocorrer sempre que um novo serviço for prestado, ou qualquer contrato for estabelecido com uma empresa ou pessoa física.

Fonte: Negócio Fisioterapeuta

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*