FISIOTERAPIA: CUIDADOS NO PERÍODO DE PUERPÉRIO

0
995

O acompanhamento é um fa­tor es­sen­cial pa­ra uma boa ges­ta­ção e um bom pós-par­to

O pu­er­pé­rio cor­res­pon­de ao pe­rí­o­do de 6 a 8 se­ma­nas após o par­to, no qual o cor­po da mãe re­tor­na ao es­ta­do em que se en­con­tra­va an­tes da gra­vi­dez. Es­te pe­rí­o­do en­glo­ba o es­tá­gio de pós-par­to ime­di­a­to (do 1º ao 10º dia após a par­tu­ri­ção), de pós par­to tar­dio (do 10º ao 25º dia) e de pós-par­to re­mo­to (além do 45º dia).

Ao atra­ves­sar es­se pro­ces­so, mu­lhe­res pas­sam por in­ten­sas mo­di­fi­ca­ções fí­si­cas e psi­co­ló­gi­cas, além da re­cu­pe­ra­ção de sua ge­ni­tá­lia após o par­to. No es­tá­gio de pós-par­to ime­di­a­to, do­mi­na a cri­se ge­ni­tal. No de pu­er­pé­rio tar­dio, des­ta­ca-se o con­di­cio­na­men­to da mus­cu­la­tu­ra ad­no­mi­nal e pél­vi­ca. Ao lon­go de to­dos os es­tá­gios, as mã­es po­dem vi­ven­ciar com­pli­ca­ções co­mo de­pres­são pós-par­to, pro­lap­so ge­ni­tal, in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria e fe­cal, he­mor­ra­gi­as, ato­nia ute­ri­na, la­ce­ra­ções va­gi­nais ou do pe­rí­neo, in­fec­ções ma­ter­nas, trom­bo­ses ve­no­sas pro­fun­das e em­bo­li­as. Di­an­te des­te ce­ná­rio, é de ex­tre­ma im­por­tân­cia bus­car aju­da pro­fis­si­o­nal pa­ra atra­ves­sar es­se pe­rí­o­do de res­ta­be­le­ci­men­to fí­si­co e emo­cio­nal.

O pa­pel da fi­si­o­te­ra­pia nes­te con­tex­to é au­xi­li­ar na re­cu­pe­ra­ção, pre­ven­ção e tra­ta­men­to dos di­ver­sos sis­te­mas afim de mi­ni­mi­zar os efei­tos in­de­se­já­veis das al­te­ra­ções fi­si­o­ló­gi­cas. Con­tan­do com o apoio de um fi­si­o­te­ra­peu­ta, a mãe te­rá be­ne­fí­ci­os co­mo re­e­du­ca­ção da fun­ção res­pi­ra­tó­ria, es­tí­mu­lo do sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio e pre­ven­ção de trom­bo­ses, res­ta­be­le­ci­men­to da fun­ção gas­tro­in­tes­ti­nal, pro­mo­ção de anal­ge­sia da re­gi­ão do pe­rí­neo e da in­ci­são da ce­sa­ri­a­na, re­to­ma­da do con­di­cio­na­men­to car­dio­vas­cu­lar, re­e­du­ca­ção da mus­cu­la­tu­ra ab­do­mi­nal e ori­en­ta­ções so­bre pos­tu­ras cor­re­tas ao ama­men­tar e nos cui­da­dos com o be­bê.

Vi­san­do res­tau­rar e re­tor­nar os sis­te­mas ao es­ta­do pré-gra­ví­di­co, seus efei­tos vão au­xi­li­ar na re­ab­sor­ção do ex­ces­so de lí­qui­do re­ti­do na gra­vi­dez, au­men­tar o re­tor­no ve­no­so, me­lho­rar a efi­ci­ên­cia do co­ra­ção e dos pul­mões, con­tri­bu­ir pa­ra a per­da de pe­so, além de di­mi­nu­ir o es­tres­se e a an­sie­da­de, au­xi­li­an­do no re­tor­no pa­ra su­as ta­re­fas.

Pa­ra pre­ve­nir pos­sí­veis dis­fun­ções pos­tu­ra­is, o pro­fis­si­o­nal de fi­si­o­te­ra­pia au­xi­lia a mãe em co­mo de­ve se­gu­rar o be­bê e em co­mo as tro­cas de po­si­ção de­vem ser fei­tas de for­ma cor­re­ta. Atra­vés do acom­pa­nha­men­to, tam­bém são en­si­na­das téc­ni­cas de re­la­xa­men­to pa­ra acal­mar o re­cém-nas­ci­do, ori­en­ta­ções so­bre a ma­nei­ra cor­re­ta de ama­men­tar e téc­ni­cas de co­mo o seio de­ve ser cui­da­do nes­te pe­rí­o­do, evi­tan­do mas­ti­tes. O fi­si­o­te­ra­peu­ta tam­bém es­tá ap­to a trei­nar o pai do be­bê, já que in­cluí-lo nas ta­re­fas é es­sen­cial pa­ra es­trei­tar o vín­cu­lo afe­ti­vo do ca­sal e au­xi­li­ar na di­mi­nu­i­ção dos fa­to­res es­tres­san­tes à mãe, que po­dem cul­mi­nar na tão te­mi­da de­pres­são pós-par­to.

A re­vi­são pu­er­pe­ral de­ve ser mar­ca­da em tor­no do 7º ao 10° dia de pu­er­pé­rio, em uma uni­da­de de sa­ú­de mais pró­xi­ma da re­si­dên­cia da mãe. Uma no­va ava­li­a­ção de­ve ser re­a­li­za­da en­tre 30° e o 42° dia pós-par­to.

En­tre os exa­mes de ro­ti­na pa­ra o pe­rí­o­do pu­er­pe­ral es­tão o he­mo­gra­ma, EAS I (exa­me de uri­na ti­po 1), EPF (exa­me pa­ra­si­tá­rio de fe­zes), so­ro­lo­gia pa­ra sí­fi­lis, HIV e he­pa­ti­te B e o ci­to­ló­gi­co, que só de­ve­rá ser re­a­li­za­do no 3º mês do pu­er­pé­rio. Além des­tes, de­ve ser re­a­li­za­da tam­bém a va­ci­na­ção de dif­te­ria e té­ta­no, ru­bé­o­la, he­pa­ti­te B e fe­bre ama­re­la, pa­ra com­ple­tar os es­que­mas va­ci­nais (ca­so não te­nham si­do fei­tos no pe­rí­o­do do pré-na­tal).

As pu­ér­pe­ras de­vem re­ce­ber aten­ção mul­ti e in­ter­dis­ci­pli­nar, de for­ma hu­ma­nís­ti­ca, pa­ra que te­nham con­di­ções de en­fren­tar as eta­pas do pe­rí­o­do pu­er­pe­ral com mais se­gu­ran­ça e con­for­to. Es­se su­por­te fa­vo­re­ce o re­tor­no das mu­lhe­res às con­di­ções pré-gra­ví­di­cas, pre­zan­do pe­la se­gu­ran­ça, sa­ú­de e bem es­tar das mã­es e seus be­bês. O acom­pa­nha­men­to qua­li­fi­ca­do de um fi­si­o­te­ra­peu­ta é um fa­tor es­sen­cial pa­ra uma boa ges­ta­ção e um bom pós-par­to.

Por: Edi­cás­sia Ro­dri­gues Mo­ra­is Car­do­so, pro­fes­so­ra do cur­so de En­fer­ma­gem da Fa­cul­da­de Es­tá­cio e co­or­de­na­do­ra da Li­ga Aca­dê­mi­ca de Sa­ú­de da Mu­lher / Dhaynna Cris­tiny Bar­ros Sil­va, aca­dê­mi­ca do cur­so de Fi­si­o­te­ra­pia da Fa­cul­da­de Es­tá­cio e in­te­gran­te da LASM

Fonte:http://www.dm.com.br

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*