FISIOTERAPIA É RECOMENDADA PARA TRATAR INCONTINÊNCIA URINÁRIA PÓS PROSTATECTOMIA RADICAL

0
1392

Novembro Azul é o mês de atenção à prevenção do Câncer de Próstata

 

A Saúde do Homem entra em pauta no mês de novembro conhecido como, Novembro Azul, onde é reforçada  a importância  da prevenção do câncer de próstata, doença  silenciosa, que pode ocorrer sem sintomas, porém quando  detectada precocemente, aumenta de forma significativa as chances de cura.

Os exames preventivos como, por exemplo, o toque retal e o PSA  são fundamentais tanto para prevenção quanto para o diagnóstico da doença e devem ser sempre recomendados e acompanhados pelo urologista. Homens a partir dos 50 anos de idade ou 45, no caso de haver casos de câncer de próstata na família, devem consultar o médico urologista anualmente.

No caso do diagnóstico ser positivo para a doença, a Prostatectomia Radical é considerada a forma de tratamento cirúrgica recomendada pelos estudos científicos e com maior efetividade. Conforme o grau e localização do tumor o urologista irá considerar a melhor via para a realização da cirurgia.

Em alguns casos, apesar dos cuidados do urologista durante a cirurgia para preservar as estruturas anatômicas, como complicação pós-operatória, pode ocorrer à incontinência urinária, que é a perda involuntária de urina.

A incontinência urinária pode gerar problemas psicológicos como, por exemplo, a depressão, afetando a vida social do individuo, que muitas vezes deixa de sair para passear, visitar amigos,  ter relação sexual e até mesmo trabalhar, pelo medo e constrangimento em usar absorventes, fraldas e até mesmo molhar suas roupas.

Não são todos os homens prostatectomizados que sofrem com esta condição. “Uma vez que estes pacientes apresentam queixas de perda de urina, é recomendado que sejam encaminhados para realizarem Fisioterapia Pélvica com um profissional qualificado e especialista na área”, afirma a fisioterapeuta Mariane Castiglione, da Associação Brasileira pela Continência B. C. Stuart.

Depois de adequada avaliação fisioterápica, são detectadas as queixas urinárias do paciente, sendo o objetivo principal do tratamento a melhora do problema.

Dentre os vários recursos da fisioterapia para o tratamento da incontinência urinária estão os exercícios perineais, a terapia comportamental, a eletroestimulação e o biofeedback.

Em muitos casos, a fisioterapia apresenta melhora das perdas de urina de forma mais rápida, porém, em alguns casos o indivíduo pode continuar a perder urina e diante desse quadro um novo procedimento cirúrgico pode ser indicado.

Procure seu urologista e no caso de perdas de urina após a cirurgia o fisioterapeuta especialista. Cuide – se!

Fonte: Associação Brasileira pela Continência B. C. Stuart:

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*