A FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DA OSTEOARTROSE

0
1715
 A osteoartrose é uma doença reumática degenerativa que atinge as articulações sinoviais e caracteriza-se por apresentar alterações na cartilagem articular. Está associada com dor e rigidez articular, deformidade e progressiva perda de função, afetando o indivíduo em múltiplas dimensões: do nível orgânico até o social.
artrose
Sua incidência é bastante elevada em nosso meio, sendo responsável pela incapacidade laborativa de cerca de 15% da população adulta no mundo. Aqui no Brasil, ocupa o terceiro lugar na lista dos segurados da Previdência Social que recebem auxílio doença, ou seja, 65% das causas de incapacidade, estando atrás somente das doenças cardiovasculares e mentais.
O acompanhamento dos pacientes com essa doença é indiscutível, uma vez que apresenta características irreversíveis, principalmente em estágios avançados, e progresso incapacitante.
De forma geral os objetivos da fisioterapia são direcionada para:
  • Redução ou alívio da dor e rigidez articulares;
  • Aumento da funcionalidade;
  • Redução da sensação parestésica;
  • Manutenção e aumento da força muscular;
  • Aumento da estabilidade articular;
  • Proteção articular;
  • Aumento da propriocepção e sensação cinestésica.
Também é importante enfatizar a orientação ao paciente sobre sua condição e a prevenção do desenvolvimento gradual da degeneração articular. Algumas complicações podem, muitas vezes, ser evitadas apenas com simples orientações!
Advertir o paciente sobre o controle de peso corporal (aumento de peso implica na progressão das lesões articulares), mostrar os benefícios da prática de atividades físicas orientada, recomendar e treinar o uso de órteses para reduzir a descarga de peso, promover a melhora do alinhamento articular, ou ainda, reduzir as instabilidades corporais do paciente.
Na maioria das vezes, nós, fisioterapeutas, somos solicitados a intervir em quadros em que a doenças já se encontra instalada. Dessa forma, as informações sobre o prognóstico da doença ao paciente e aos seus familiares torna-se imprescindível, pois muitos acreditam em uma cura a curto prazo, o que é incompatível com a osteoartrose. Os esclarecimentos são necessários para que o paciente se conscientize e contribua com o tratamento proposto pelo fisioterapeuta.
O repouso desses pacientes raramente deve ser absoluto, exceto em alguns casos avançados da doença. No entanto, nas fases agudas de sinovite, o repouso é fundamental para não aumentar o processo inflamatório (aumento da penetração de enzimas digestivas presentes no líquido sinovial com características inflamatórias). Em alguns casos especiais de cervicalgias, cervicobraquialgias ou lombalgias agudas que não respondem à terapia, a imobilização pode ser prescrita (uso de colar cervical ou coletes por um período limitado).
Articulações mais comprometidas
Ainda nessas condições, o fortalecimento da musculatura das demais articulações próximas àquela comprometida evitará os efeitos do desuso. Os exercícios exercem um papel importante na recuperação da hipotonia ou atrofia muscular.
Lembrar que o programa de tratamento adequado deve considerar a proteção das articulações durante exercícios físicos alcançada por meio de:
  1. Seleção de trabalho de baixo impacto;
  2. Evolução com condicionamento progressivo da musculatura antes de atividade mais vigorosa, como a pliometria;
  3. Inclusão de séries de alongamento e resistência;
  4. Redução da sobrecarga articular (hidroginástica ou posicionamentos alternativos em decúbitos diferentes);
  5. Uso de calçado com solado adequado para melhor absorção de impacto e redução de risco de quedas;
  6. Recomendação do uso de órteses rígidas ou semi-rígidas para correção ou suporte biomecânico.
Em relação à aplicação e benefícios dos recursos termoterápicos, os tratamentos baseados na elevação da temperatura intra-articular, como as modalidades de calor profundo, são inadequados no tratamento das sinovites secundárias que frequentemente surgem nas osteoartroses, sendo contra-indicadas quando houver componente inflamatório evidente, situação em que a crioterapia  deve ser preferida.
Quando as estratégias conservadoras falham, o paciente pode ser encaminhado para tratamento cirúrgico, como as artroscopias (para a limpeza articular), as osteotomias (para a correção do alinhamento articular ou para substituição articular). Nesses casos, o acompanhamento fisioterápico  pré e pós-operatório deve ser solicitado.
É importante considerar que a fisioterapia é indispensável, pois o plano de tratamento deve estimular o paciente proporcionando melhor qualidade de vida e permitindo que exerça as suas atividades com maior autonomia.
Artigo para leitura: A fisioterapia na osteoartrose: uma revisão de literatura
Referências:
– Greve, J.M.D; Plapler, P.G. et al. Tratamento fisiátrico da dor na osteoartrose. Revista Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de São Paulo; 1992.
– Roimisher, S. Conceito, etiopatogenia e patologia da artrose. In Cruz Filho A.: Clínica Reumatológica; 1980.
– Threkeld, A.J.; Currier, D.P. Osteoarthritis: effects on synovial joints tissues. Physical Therapy; 1980.
– Rebelatto, J.R.; Morelli, J.G.S. Fisioterapia Geriátrica: A Prática da Assistência ao Idoso. Ed. Manole, 2ª edição; 2007.
Por: Lysia Maia
Fonte: Fisioterapia Geriátrica

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*