FISIOTERAPIA PREVENTIVA: UMA ALIADA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE

0
661

A visão da fisioterapia apenas como um processo para auxiliar na recuperação de lesões está ultrapassada. Em uma abordagem voltada à promoção da saúde, a fisioterapia preventiva foca seus esforços na prevenção e não apenas na reabilitação, proporcionando uma melhor qualidade de vida para diversos perfis populacionais.

Além de ser uma ferramenta essencial para garantir a saúde do trabalhador, a fisioterapia preventiva também é muito utilizada para o tratamento de pessoas da terceira idade e para melhorar a performance de praticantes de diversos tipos de esporte. Portanto, ao implantar programas que envolvam ações de fisioterapia preventiva, sua operadora deve dar atenção especial a estes três públicos.

O melhor nesse caso é dispor de um sistema de TI especializado, que tenha um cadastro detalhado de todo o universo de beneficiários da operadora, capaz de identificar entre eles as pessoas que se enquadram nestes diferentes perfis. A partir da montagem de grupos com perfis semelhantes fica mais fácil formatar as ações e promovê-las.

Conhecendo melhor seus beneficiários, a operadora terá oportunidade de oferecer programas mais direcionados às necessidades específicas de cada público e com maior probabilidade de sucesso. Apresentamos a seguir algumas estratégias para oferecer os benefícios da fisioterapia preventiva direcionados para os três perfis destacados:

Fisioterapia preventiva para idosos

A fisioterapia preventiva para a terceira idade compreende um conjunto de exercícios físicos e respiratórios com o de objetivo manter a funcionalidade e o bem-estar do idoso, bem como evitar ou retardar complicações. As principais indicações dessa modalidade de fisioterapia para pessoas com mais de 60 anos envolvem a reversão de quadros de fraqueza muscular, degeneração articular, dor e cansaço, diminuição da agilidade e falta de equilíbrio.

Os procedimentos da fisioterapia preventiva ajudam a prevenir riscos de doenças comuns nessa faixa etária, como diabetes, hipertensão arterial, doenças cardíacas, osteoporose, hérnias de disco, tendinites, bursites, artrose, etc. Além disso, a prática é eficaz no controle de dores nas articulações e no tratamento de problemas com insônia, depressão e ansiedade.

Os principais objetivos da fisioterapia preventiva para idosos são preservar a função motora, adiar a instalação de incapacidades decorrentes do processo de envelhecimento e prevenir a ocorrência de quedas e outros acidentes causados por limitações naturais da idade. Dentro desse contexto, listamos a seguir alguns recursos que podem ser usados na aplicação desse método dentro do universo da sua operadora:

  • Cinésioterapia profilática com exercícios físicos globais e para manter a funcionalidade do idoso, podendo ser aplicados individualmente ou em grupo;
  • Campanhas para promover a prática doalongamentocomo um hábito diário;
  • Medidas de educação para a saúde, com palestras e orientações preventivas envolvendo atividades da vida diária;
  • Análise de orientações posturais, para minimizar ou corrigir fatores de risco para doenças específicas;
  • Análise ergonômica do ambiente onde vive o idoso, para melhorar sua mobilidade e reduzir os riscos de queda.

Fisioterapia preventiva nas empresas

As pressões características do ambiente corporativo e o acúmulo de tarefas no dia a dia, somados à postura inadequada e aos movimentos repetitivos no local de trabalho, está fazendo com que a prevenção do estresse ganhe cada vez mais a atenção dos planos de saúde voltados para o mercado empresarial.

Dentro dessa visão, a fisioterapia preventiva se mostra uma excelente solução para ajudar os colaboradores a administrar este estresse. Além de reduzir a incidência de faltas ao trabalho e promover a saúde geral dos funcionários, ela atua na prevenção doenças psíquicas e osteomusculares que têm grande impacto na qualidade de vida e na produtividade do trabalhador.

Associada às técnicas de ginástica laboral e treinamento físico, a fisioterapia preventiva proporciona um bem-estar a curto, médio e longo prazo para o funcionário e, consequentemente, um melhor resultado para a empresa, sendo uma importante ferramenta para prevenir o aparecimento de lesões musculoesqueléticas ligadas a atividades dentro do ambiente de trabalho (LER/DORT).

Os programas de fisioterapia preventiva nas empresas geralmente envolvem ações para incentivar os empregados a adquirir uma consciência corporal e novos hábitosde vida, gerando um bem-estar físico e emocional no ambiente de trabalho.

Confira algumas ações que podem ser desenvolvidas no ambiente corporativo:

  • Promover palestras de conscientização, capacitação e treinamento preventivo de doenças ocupacionais;
  • Desenvolver programas deginástica laboral;
  • Realizar orientações posturais e ergonômicas aos trabalhadores;
  • Avaliar a postura e a analisar a biomecânica das tarefas nos postos de trabalho, promovendo a adequação do posto e das posturas para um melhor desempenho;
  • Promover melhorias na ergonomia do trabalho, atuando junto à equipe de saúde e segurança do trabalho;
  • Promover ações terapêuticas preventivas às instalações de processos que levam a incapacidade funcional do trabalho.

Fisioterapia preventiva nos esportes

O objetivo da fisioterapia preventiva para este público é evitar que o esportista sofra uma lesão, melhorando assim seu desempenho e rendimento nos treinos e competições. Entre os praticantes de atividades esportivas, o trabalho de prevenção deve ser feito por um fisioterapeuta habilitado e que conheça a fundo o esporte que seus pacientes praticam. Com este conhecimento, ele será capaz de avaliar os pontos principais e individuais que podem gerar lesões a curto, médio ou longo prazo.

Entre as técnicas que podem ser usadas para um trabalho de fisioterapia preventiva estão o alongamento e as terapias manuais como osteopatia, termoterapia, eletroterapia e crioterapia (com uso de gelo).

Alguns pontos específicos devem ser levados em conta são a modalidade praticada e os grupos musculares mais utilizados, além das características físicas do atleta e da identificação das lesões mais comuns a que ele está sujeito.

Para identificar os fatores de risco deve-se definir se o esporte é individual ou coletivo, de contato ou de impacto, se é praticado ou não em nível de competição. Outras informações como a idade e o gênero do praticante, suas lesões prévias, seu condicionamento físico, flexibilidade e força muscular também devem ser levados em conta.

Com estas informações definidas, o fisioterapeuta vai aplicar estratégias de prevenção de forma individualizada durante um período pré-determinado e refazer a avaliação, comparando seus resultados ao início do programa preventivo. Também são indicados exercícios para fortalecer os músculos de estabilização central, conhecidos como core, buscando melhorar a função dos membros evitando a instabilidade articular e alterações biomecânicas. A

No caso de um atleta de corrida, por exemplo, os pontos principais avaliados são: postura, passada, tipo de pé e pisada, flexibilidade, equilíbrio de força e resistência muscular, tônus muscular e equilíbrio. Após uma avaliação completa, parte-se para reduzir os déficits individuais do atleta e aperfeiçoar qualidades existentes, fazendo com que seu corpo trabalhe da forma mais sincronizada possível. Com isso, além de diminuir os riscos de lesão, o atleta pode até ter ganhos de performance significativos.

No futebol, por sua vez, a fisioterapia preventiva também vem buscado saídas para que cada vez menos lesões venham a acontecer, especialmente envolvendo as lesões de joelho e tornozelo. Entre os métodos aplicados atualmente estão exercícios designados a dar ênfase à coordenação e equilíbrio amplamente utilizados pela fisioterapia traumato-ortopédica no tratamento de lesões músculo-esqueléticas.

 

Fonte:http://previva.com.br/

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*