FRATURA DO ESCAFÓIDE

0
3089

O que é a fratura do escafóide?

A fratura do escafóide é a ruptura de um osso do pulso localizado entre o rádio (osso do antebraço) e o polegar.

O escafóide tem dimensões reduzidas e uma forma irregular semelhante ao feijão.

Fratura, escafóide, carpo, mão, pulso, algodistrofiaPara compreender exatamente a posição deste ossinho, é suficiente dilatar os dedos da mão, entre o polegar e o antebraço se vê sobressair dois cordões fibrosos com um poço central (Tabaqueira anatômica), dentro desta área está localizado o escafóide.
No interior é mais arredondado, a parte inferior se articula com o osso trapézio através de um tubérculo.
O escafóide é o osso do carpo mas sujeito a fraturas porque em caso de queda é o primeiro que apóia a terra e se encontra numa posição na qual convergem muitas forças externas.

Cerca de 90% das lesões ósseas do pulso são de responsabilidade do osso escafóide que é fundamental para a estabilidade e a dinâmica da mão, enquanto os outros 7 ossinhos do carpo são atingidos raramente por lesões.
Os mais afetados são jovens e adultos, especialmente aqueles que executam trabalhos manuais e os atletas.

Cada trauma ou queda que provoca uma contusão ou uma distensão do pulso deve levantar a suspeita de lesão do escafóide.
Os atletas podem sofrer esta fratura caindo de motocicleta, bicicleta, patins, jogando futebol, basquete, andebol etc, muitas vezes é acompanhada por uma torção no pulso.
O perigo desta fratura é que se não é tratada adequadamente, pode ocorrer uma condição denominada pseudartrose .
As conseqüências (o efeitos) poderão permanecer por um longo tempo, incluindo dor, instabilidade, perda de força, mobilidade e uma alteração da dinâmica da mão.

As lesões mais perigosas são expostas e acompanhadas da luxação do osso.
A da fratura do escafóide é complicada porque este osso é cercado por cartilagem em quase toda a superfície, o tecido de cartilagem é pouco vascularizado, chegando assim poucas substância nutrientes para formar o calo ósseo.
O trauma também pode danificar os nervos, as artérias e os ligamentos, especialmente o ligamento interósseo escafo-lunar.

Como acontece a fratura do escafóide?

A fratura do escafóide é provocada por trauma direto sobre a mão, por exemplo uma queda em hiperextensão do pulso, ou seja na posição em que recebe um objeto lançado por outra pessoa.
Este tipo de fratura é muito importante em ortopedia a causa das dificuldades encontradas para a cura.

No passado, quase a metade dos pacientes não conseguia criar um calo ósseo suficiente a cicatrizar a lesão.
No trauma, o escafóide vem comprimido e estabilizado ao nível proximal do rádio, mas a parte distal (o tubérculo) deve absorver o impacto sem poder apoiar em outros ossos.
Poderia criar um fulcro fixo entre duas forças paralelas que atuam sobre a extremidade do osso.

A parte mais frágil é a cintura do escafoide, isto é, o corredor que liga o corpo distal do osso ao tubérculo, a este nível ocorrem a maioria das fraturas.
O tubérculo do osso escafóide constitui a parte mais distal e melhor vascularizada, uma fratura nesta parte é um evento raro, mas a formação de calo ósseo é mais fácil para a maior vascularização em comparação com a porção proximal.

Quais são os sintomas da fratura do escafóide?

A sintomatologia da fratura do escafóide inclui dor intensa e inchaço no pulso na depressão entre o rádio e o polegar.
Os movimentos do pulso são limitados, até mesmo a mobilidade do polegar torna-se muito chata.
As atividades da vida diária são muito reduzidas a causa das   dificuldade encontradas em fazer um punho, para rodar a mão (abrir uma maçaneta, despejar água de uma garrafa, etc.), levantar objetos.

Como chegar ao diagnóstico da fratura do escafóide?

Os pacientes jovens e ativos que sofrem traumas e se apresentam com dor e inchaço sobre o pulso ao lado do polegar deveriam ser analisados bem para excluir a suspeita de lesão do osso escafóide.
Os idosos que caem no chão sofrem quase nunca uma fratura do escafóide, geralmente são afetados o rádio e a ulna.

O teste clínico principal é a compressão axial do polegar ao pulso, se provoca dor severa é positivo.
É fundamental lembrar que executando a radiografia no mesmo dia em que ocorreu o trauma, é possível  não ver a linha de fratura, por isso é melhor esperar dois ou três dias.

A radiografia deve ser realizada com diferentes projeções:

  • Póstero-anterior com o pulso em desvio ulnar ou posição neutra;
  • Lateral;
  • Semi-pronação ou Semi-supinação a 45°.
  • Nem todas as fraturas são visíveis das chapas radiográficas, assim muitas vezes se realiza uma tomografia computadorizada que pode mostrar as micro-fraturas ou uma ressonância magnética que não é o exame mais adequado para avaliar os ossos, mas pode mostrar um pequeno edema no escafóide típico de uma lesão.Em última análise, se o médico o considera necessário, pode proceder com uma cintilografia óssea.

Qual é o tratamento para fratura do escafóide?

O tratamento das fraturas do escafóide é uma das questões mais controversas na medicina.O problema deste osso é que sem tratamento adequado, aproximadamente 30% dos pacientes sofrem atraso de consolidação e algodistrofia para uma formação insuficiente de calo ósseo, as consequências são dores e instabilidade.

Em casos extremos, entre as complicações da lesão do escafóide, se a fratura exposta é no pólo proximal, pode desenvolver-se necrose ou morte celular.

                            Mobilização passiva e reforço pós-fratura do escafóide

Se a fratura é fechada o ortopedista opta por um tratamento   incruento ou conservador, engessando pulso e mão, o tratamento é a imobilização por um período de duração de 6 semanas até 2-3 meses.
Muitos ortopédicos preferem incluir o polegar e todo o cotovelo no gesso.
Para retornar aos níveis pré-fratura ou quase é importante para realizar a terapia magnética que pode ter inicio mesmo com o gesso, além disso serve um programa de reabilitação e fisioterapia.
A metade dos casos em que a lesão é exposta vão em direção da pseudoartrose, apesar de diagnóstico e a terapia sejam corretas e imediatas, por isso hoje o médico cirurgião recomenda a operação cirurgica deste osso.

  • Para definir exposta uma fratura, é suficiente que os dois tocos ósseos não correspondem a uma distância de apenas 1 milímetro.
    A cirurgia também é recomendada no caso de uma fratura exposta ou acompanhada de luxação porque:

    • Reduz o tempo de imobilização;
    • Acelera a recuperação e o retorno ao trabalho ou ao esporte;
    • Previne as conseqüências da fratura, em particular a algodistrofia (efeitos).

    Uma fratura da parte proximal do escafóide é tratada cirurgicamente porque a vascularização é fraca ou insuficiente para iniciar o processo de formação do calo ósseo.
    Considerando que, na grande maioria das fraturas do escafóide se chega a cirurgia, é melhor decidir o mais rapidamente possível, por que esperar semanas ou meses pode tornar-se mais rápido e menos doloroso o retorno às atividades diárias.

    Como efetuar a intervenção cirúrgica das fraturas do escafóide?

    A cirurgia consiste em osteossíntese,ou seja a união entre os dois tocos de osso com um parafuso muito pequeno, chamado de parafuso de Herbert, que serve para estabilizar e manter juntos os fragmentos.
    Geralmente é necessário inserir os fios de Kirschner nos fragmentos de osso para soldar os fragmentos e para reduzir a fratura corretamente.
    O parafuso que permite a osteossíntese deve ser posicionado no centro do osso, caso esteja perto das extremidades, o paciente pode não curar completamente.

    A operação é realizada em cirurgia do dia, após a qual permanece hospitalizado por uma noite apenas.
    O procedimento dura cerca de 20-30 minutos, é realizado sob anestesia local com uma injeção no plexo braquial na altura das axilas.
    As dimensões do corte são muito pequenos, cerca de 1 cm, no final da operação são suficientes 3 pontos para fechar a ferida.

    Para algumas fraturas vem sendo utilizado o enxerto ósseo retirado da asa ilíaca ou da epífise radial, especialmente para as fraturas   cominutivas (com muitos fragmentos ou esfarelada )

    A osteotomia corretiva do escafóide é executada no caso em que o osso vem consolidado de forma irregular, com uma forma que não se encaixa com os outros ossos e estruturas do carpo.

 

Fonte:Fisioterapia para todos

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*