MÉTODO PILATES – UMA OPÇÃO DE TRATAMENTO PARA ALGIAS EM GESTANTES: RELATOS DE EXPERIÊNCIA

0
442

PILATES METHOD – AN OPTION FOR TREATMENT PAINS IN PREGNANT: EXPERIENCE REPORTS

Resumo:

Introdução: A gravidez se configura como um período de mudanças físicas, emocionais, existenciais, sexuais além de queixas álgicas e limitações das atividades. Objetivo: Analisar a eficácia do Método Pilates nas algias do período gestacional e sua interferência no emocional e sexualidade. Metodologia: A amostra foi composta por três (3) gestantes com algum quadro álgico. A coleta de dados fez-se a partir de uma ficha de avaliação com a anamnese, ficha de avaliação postural adaptada4, escala de graduação da dor (CR-10)14 e um questionário sobre aspectos emocionais e sexuais validado. Após avaliações realizaram-se dezessete (17) sessões de pilates, em dois encontros semanais com vinte e três (23) exercícios. Resultados: Na graduação de dor houve diminuição, sendo que uma apresentou aumento do quadro álgico, e na última avaliação duas delas mantiveram-se com a mesma intensidade, enquanto a outra referiu diminuição progressiva. Quanto às regiões álgicas houve uma diminuição significativa, com duas delas mantendo-se na última avaliação com o mesmo número de regiões e uma apresentando um aumento das mesmas. As regiões álgicas evidenciadas foram com 100% do grupo apresentando lombalgia, 100% com dor em trapézio inferior, 66% dor na região da panturrilha e 33% em região dorsal. Observaram-se as alterações posturais comuns do período gestacional. Referentes aos aspectos emocionais todas relataram modificação da vida sexual, considerando tranquila a vida conjugal. Conclusão: Este estudo comprovou a eficácia do Método Pilates como minimizador dos desconfortos álgicos referidos na gestação, proporcionando uma melhor qualidade de vida, sem que interfira nas suas atividades diárias.

Palavras-chave: algias, emocional, gestação, método pilates.

Abstract:

Introduction: Pregnancy is configured as a period of physical, emotional, existential, as well as sexual pain complaints and limitations of their activities. Objective: To assess the effectiveness of Pilates in the localized pains during pregnancy and its interference in the emotional and sexuality. Methodology: The sample was composed of three (3) women with a painful picture. Data collection was made from an evaluation form with a clinical history form adapted4 postural evaluation, rating scale of pain (CR-10)14 and a questionnaire on emotional and sexual validated. After evaluations were conducted seventeen (17) pilates sessions, two weekly meetings with twenty-three (23) exercises. Results: The degree of pain decreased and an increase of pain symptoms, and the last evaluation two of them remained with the same intensity, while the other indicated a progressive decrease. For regions algic significant reduction, with two of them remained in the last evaluation with the same number of regions and one showing an increase of the same. The regions were highlighted algic with 100% of the group with low back pain, 100% with pain in lower trapezius, 66% pain in the calf and 33% in urban areas dorsal. As algic were evident with 100% of the group with low back pain, 100% with pain in lower trapezius, 66% pain in the calf and 33% in the dorsal region. Observed postural changes common during pregnancy. On the emotional aspects all reported change in sexual life, considering quiet married life. Conclusion: This study confirmed the effectiveness of Pilates as minimizing the discomforts during pregnancy such pain conditions, providing a better quality of life, without interfering in their daily activities.

Keywords: pains, emotional, pregnancy, pilates method.

Por: DORNELLES, L. K.*, VAUCHER, D. S.**.

* Acadêmica do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano – UNIFRA, Santa Maria, RS, Brasil.

** Professora orientadora e docente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano – UNIFRA, Santa Maria, RS, Brasil.

Fonte: Nova Fisio, Revista Digital. Rio de Janeiro, Brasil, Ano 15, nº 87, Julho/Agosto de 2012.

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*