O QUE É APRAXIA?

0
1701
O envolvimento da equipe multidisciplinar se faz necessário no tratamento da Apraxia…

Para entender melhor a apraxia, vamos pensar no desenvolvimento do aprendizado normal de uma criança.

Durante seu desenvolvimento, através do processo de aprendizagem, a criança vai adquirindo a linguagem e paralelamente vai aprendendo a conhecer seu próprio corpo e como relacioná-lo com o meio ambiente.

A criança aprende seu nome depois aprende o nome da escada (por exemplo), qual a função da escada e, somente quando este aprendizado estiver estruturado, é que a criança aprende como subir na escada.

Com esse exemplo podemos perceber que ocorre uma integração entre o conhecer e o executar, entre os campos gnósicos (conhecer o objeto) e práxicos (saber como utilizar o objeto). Muitos engramas são formados neste processo e são enriquecidos através da experimentação e do uso dos mesmos.

Assim APRACTOGNOSIA é o termo utilizado para qualquer distúrbio seja ele práxico ou gnósico devido a uma lesão encefálica onde estes centros estejam localizados (Doretto, 2001). O paciente apresenta um conjunto de deficiências sensório-percepto-motoras que acarreta na incapacidade de realizar movimentos, gestos ou habilidades previamente aprendidas, seja de uma forma espontânea ou ao comando verbal.

O diagnóstico pode ser feito descartando a presença de um distúrbio primário de atenção, compreensão, motivação, força, coordenação ou sensibilidade que pudesse interferir na performance normal do ato motor.

As funções práxicas dependem essencialmente do controle de áreas superiores do córtex encefálico que são: área motora primária, área suplementar e córtex pré-motor. São responsáveis por integrar as funções mentais e motoras para que ocorra a elaboração gestual com os movimentos adquiridos pelo aprendizado.

O indivíduo portador de apraxia apresenta muita dificuldade em realizar movimentos ao comando verbal ou mímico, porém podem executar os mesmos movimentos de forma automática. Podem atrapalhar-se com utensílios e ferramentas, principalmente quando estes movimentos forem deliberados voluntários, cometendo erros extraordinários, com hesitações, demora, falta de ordem e perseveração.

As apraxias podem ser classificadas segundo suas características em:

– apraxia dinâmica;

– apraxia ideomotora;

– apraxia ideatória;

– apraxia construtiva;

– apraxia mielocinética;

– apraxias especiais que se dividem em: apraxia da marcha, do vestir, buco linguo facial, agnóstica e diagonística.

Apraxia Dinâmica

Impossibilidade de repetir 3 gestos elementares em uma mesma ordem.

Ex: cumprimento militar, mandar beijo e dar tchau
ou
Impossibilidade de submeter cada mão a uma ação alternada.

Ex: uma mão com punho cerrado e a outra com a palma aberta.

Segundo Cambier, 1988, essa apraxia é comum de aparecer em indivíduos sequelados de lobo frontal sendo mais acentuado nos casos das lesões frontais esquerdas mais do que as de lobo frontal direito.

Apraxia Ideomotora

Distúrbio na realização de gestos simples ou simbólicos intencionalmente.

Ex: ordena-se ao paciente realizar o sinal da cruz e ele é incapaz de fazê-lo mas o faz automaticamente ao entrar na igreja.

Está associado freqüentemente com grandes lesões parietais especialmente parte inferior do lobo parietal.

Apraxia Ideatória

È um distúrbio na seqüência dos atos necessários para a utilização de um objeto ocasionando uma desorganização total na seqüência de gestos elementares. O paciente perde a ideia do ato e quanto mais complexa a ação mais a apraxia será manifestada, ele perde o planejamento de um gesto a ser realizado e a forma com que ele acaba realizando o ato motor parece uma distração ou demência.

Geralmente está associada a extensa lesão do lobo parietal predominantemente a esquerda.

Ex: se você pede a um apraxico ideomotor fumar um cigarro ele, muito provavelmente irá acender o fósforo com o cigarro ou poderá levar o cigarro até a boca e fumá-lo sem que o mesmo se encontre aceso.

A apraxia ideatória é bilateral, geralmente associada com apraxia ideomotora, devido a extensa lesão do lobo parietal predominantemente à esquerda.

Apraxia Construtiva

Designa a incapacidade ou a dificuldade, apresentada por certos pacientes. De reproduzir ou desenhar espontaneamente formas que reproduziam ou desenhavam anteriormente sem dificuldades.

O paciente é incapaz de reproduzir um desenho simples com palitos de fósforos ou de representar letras com palitos.

A lesão encefálica é encontrada no lobo parietal e também pode ser visualizado lesão em corpo caloso.

Nas lesões de hemisfério direito os distúrbios são em geral mais graves, os desenhos são feitos com pressa e sem cuidado, a presença de um modelo não ajuda, ocorre, geralmente, negligência do lado esquerdo. Se este for o hemisfério dominante, observa-se uma melhora na execução na presença de um modelo.

Nas lesões do hemisfério esquerdo não há ocorrência de problemas visuoespaciais, mas as cópias realizadas se assemelham as de uma criança em idade pré-escolar. Para lesões neste hemisfério podemos ter a ocorrência, quando solicitamos espontaneamente ao paciente que desenhe uma cruz ou os marcadores do relógio, desenhos completamente disformes evidenciando distúrbios na concepção da forma que resultam em imagens aberrantes.

Quando a lesão encefálica é muito extensa as diferenças são tamanhas que se torna impossível afirmar qual a área exata acometida podendo ocasionar uma apraxia construtiva onde os desenhos se tornam impossíveis.

Apraxia Mielocinética

Manifesta-se pela redução da espontaneidade motora, o movimento torna-se desajeitado. Esta anormalidade pode ser vista na mímica principalmente quando se solicitam movimentos distais independentes rápidos de dedos.

Ela é manifestada no hemicorpo contralateral ao hemisfério lesado, o qual pode ser o lobo frontal e parietal.

Apraxias Especiais

1) Apraxia da marcha – paciente apresenta uma dificuldade na marcha a qual não é ocasionada por perda sensorial, fraqueza muscular ou disfunção cerebelar. Possui uma dificuldade para iniciar a marcha, base alargada, passada curta e hesitante. Pode ser encontrada em lesões do lobo frontal bilateral.

2) Apraxia do vestir- paciente possui dificuldade em orientar peças do vestir com distúrbios gnósicos do esquema corporal. O paciente pode apresentar uma dificuldade para desde dar o nó da gravata até, nas formas mais severas, não conseguir colocar a camisa.

3) Apraxia buco-linguo-facial – paciente apresenta dificuldade em realizar, voluntariamente, movimentos de deglutição, de língua, movimentos faciais ao comando (lamber os lábios, assoprar uma vela,etc) mas o fazem quando automaticamente realizados. A lesão é encontrada em lobo parietal esquerdo.

4) Apraxia agnósica – existe uma alteração das funções gestuais e cognitivas acarretando em um não reconhecimento do objeto e a debilidade em executar o movimento com o objeto referido.

5) Apraxia Diagonística – incoordenação na execução de um ato motor com as mãos em atividades bimanuais. Por ex: no mercado, o indivíduo vai pagar a mercadoria e com uma mão fornece o dinheiro e com a outra pega a mercadoria. O paciente se mostra incapaz de realizar atividades bimanuais opostas. Causada por lesão de corpo caloso.

Qualquer uma das formas citadas de apraxia possui tratamento onde o envolvimento da equipe multidisciplinar se faz necessário visto que além de uma dificuldade para a execução de um ato motor existe uma disfunção neurológica associada que acaba por desencadear problemas sociais. Assim a intervenção de fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais para reeducar a função motora, de fonoaudiólogos para as apraxias orais, psicopedagogos para acompanhamento didático e psicólogos para suporte emocional.

Referências Bibiográficas

DORETTO, D. Fisiologia clínica do sistema nervoso, fundamentos da semiologia . 2ed. São Paulo: Atheneu 2001.
FONTANARI, J. As apraxias e as agnosias, uma breve revisão. Ver.Bras.Neurol. Rio Grande do Sul: 35-49, março, 1989.

Por:Erika Infante

Fonte:Profala

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*