O QUE É A DOENÇA DE ALZHEIMER E COMO PODEMOS TRATÁ-LA COM PILATES?

0
831

A doença de Alzheimer é um doença neurodegenerativa, atualmente incurável, mas que possui tratamento.

Caracteriza-se pela desestruturação do citoesqueleto dos neurônios do córtex cerebral, uma região encefálica fundamental para as funções cognitivas.

Trata-se de uma doença geneticamente determinada, mas não necessariamente hereditária, que causa demência.

Classificação da Doença de AlzheimerAlzheimer

Sua classificação se determinam em 3 fases:

Fase Inicial

A fase inicial caracteriza-se por um processo natural de envelhecimento através de comprometimento de memória recente.

Fase Intermediária

A fase intermediaria é caracterizada pela alteração na capacidade de decisão (na maioria dos casos as pessoas não percebem as mudanças), existe vários comprometimento das atividades instrumentais e operativas, onde podemos verificar déficits na marcha, bradicinesia, hipertonia e apraxias.

Fase Final

Na fase final todas as funções mentais são prejudicadas. O problema de fala progride até a mudez e o indivíduo torna-se dependente para as atividades diárias.

Outras anormalidades de comportamentos observados na DA incluem inquietudes motoras, agitação e ansiedade.

O mal de Alzheimer vem associado à distúrbios de análise relacionados ao raciocínio, com distúrbios de alteração de interpretação de provérbios. Os testes de vocabulário são de suma importância para exploração da memória semântica.

Diagnóstico

Existem três opções de diagnóstico possíveis para a Doença de Alzheimer.

Quando há impressão clínica de demência, é apoiada por testes neuropsicológicos e a tomografia computadorizada apresenta evidências de progressão. DA possível, quando o quadro clínico sugere o diagnóstico de DA, mas esse quadro é atípico ou confundido por outros fatores contribuintes potenciais.

O diagnóstico da demência deve ser estabelecido por exame clínico, porém o estado mental do paciente influencia na avaliação neuropsicológica, tendo necessidade de déficit progressivo de memória afetando a função cognitiva.

Tratamento Medicamentoso

No tratamento médico são administrados Inibidores de Acetilcolinesterase para bloquear a quebra de acetilcolina e assim aumentar a quantidade de acetilcolina no cérebro, o uso dessa droga tem tidos bons resultados na fase intermediária.

Outros medicamentos têm se mostrado mais eficaz no tratamento da DA no estagio mais avançado onde podemos destacar:

  • Anti-inflamatórios
  • Fatores neuropáticos
  • Estrógeno
  • Antioxidantes
  • Bloqueadores do canal de cálcio

Tratamento Farmacológico

O tratamento farmacológico define-se em 4 itens.

1º Terapêutica Específica: que objetiva reverter processos patológicos conduzindo a morte neural

2º Visa o retardo do inicio da doença por uma abordagem profilática

3º Tratamento Sintomático: este visa trazer habilidades cognitivas e funcionais do mesmo

4º Terapia Complementar: será realizado um tratamento da ação-não cognitivas da doença tais como: depressão, psicose, agitação psicomotora, agressividade e distúrbio do sono.

Atuação do Método Pilates na Doença do Alzheimer

O Pilates tem um papel muito importante para fase inicial  dessa doença, objetivando manter o indivíduo mais ativo e retardando a progressão das perdas motoras, evitando encurtamentos e deformidades e incentivando a independência do doente.

Alguns tipos de exercícios realizados melhoram a qualidade do sono, circulação sanguínea e prevenção de algumas lesões ortopédicas, além da realização de um treino aeróbico.

Doença-de-Alzheimer

A pratica desse método será importantes para prevenir ou minimizar déficits de equilíbrio em idosos com Doença de Alzheimer, e com isso serão observados benefícios no sistema cardiovascular, neuromuscular e sensorial.

Exercício-para-Doença-de-Alzheimer

Concluindo…

“O método vai estacionar a progressão da doença de Alzheimer melhorando assim a qualidade de vida. Na parte mental, os exercícios melhoram a concentração e a memória. E o trabalho com a respiração ajuda no controle das emoções”

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • ALBUQUERQUE, CR; BORGES LL; GARCIA PA. O impacto do declínio cognitivo, da capacidade funcional e da mobilidade de idosos com doença de Alzheimer na sobrecarga dos cuidadores. Fisioterapia e Pesquisa, v.16, n.3, p.246-51, 2009.
  • CARVALHO, KR; CABRAL, RMC; GOMES, DAGS; TAVARES, AB. O método Kabat no tratamento fisioterapêutico da doença de Alzheimer. Kairó, 11(2): 181-195, 2008.
  • CASTRO, SD; SILVA, DJ; NASCIMENTO, ESR; CHRISTOFOLETTI, G. CAVALCANTE, JES; LACERDA, MCC; TRANCREDI, AV.  Alteração de Equilíbrio na Doença de Alzheimer: Um Estudo Transversal. Rev Neurocienc, p.2-8, 2011.
  • COELHO, CLM; BASTOS, CL; CAMARA, FP; LANDEIRA-FERNANDEZ, J. A influência do gênero e da escolaridade no diagnóstico de demência. Estudos de Psicologia, 27(4): 449-456, 2010.
  • CHRISTOFOLETTI, G.  OLIANI MM; GOBBI LTB; GOBBI S. Risco de quedas em idosos com doença de Parkinson e  demência  de Alzheimer: Um Estudo Transversal.  Rev. bras. fisioter, v. 10, n. 4, p. 429-433,  2006.
  • ELY, JC; GRAVE, M. Estratégias de Intervenção Fisioterapêutica em indivíduo portador de doença de Alzheimer. RBCEH,  v. 5, n. 2, p. 124-131,  2008.
  • FORLENZA, O.V. Tratamento farmacológico da doença de Alzheimer. Rev. Psiq. Clín. 32 (3); 137-148, 2005.
  • MELO, MA; DRIUSSO, P. Proposta Fisioterapêutica para os cuidados de Portadores da Doença de Alzheimer. Envelhecimento e Saúde: 12(4), p. 11-8, 2006.
  • NITRINI, R; CARAMELLI, P; BOTTINO, CMC; DAMASCENO, BP; BRUCKI, SMD; ANGHINAH, S. Diagnóstico de Doença de Alzheimer no Brasil. Arq Neuropsiquiatr, 63(3-A):720-727, 2005.
  • SANTIAGO, E; SIMÕES, RJP; PEREIRA, JAL. A Saúde Oral na Doença de Alzheimer. ArquiMed, 22(6): 189-93, 2008.

Por: Paulo  Caetano –  Fisioterapeuta pós graduado em Traumato Ortopedia com ênfase em Pilates e Terapia Manual. Fisioterapeuta domiciliar, curso de ventilação mecânica, curso de técnicas e recursos em fisioterapia respiratória, curso de fisioterapia respiratória e ministrante do mini-curso: Pilates para Todos.

Fonte: http://blogpilates.com.br

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*