Áreas de AtuaçãoDicas de Saúde

O que é Espondilite Anquilosante?

Definições, Sintomas e Tratamento

O que é Espondilite Anquilosante?

espondilite anquilosante é uma forma de artrite que afeta principalmente a coluna e as articulações sacroilíacas (parte inferior das costas). Aqui vamos explicar como a espondilite anquilosante se desenvolve e os sintomas associados a esta doença.

Uma doença inflamatória, a espondilite anquilosante (ou AS) é caracterizada por dor e rigidez e pode levar à perda de mobilidade. O processo da doença leva à erosão do osso e ao aumento da formação óssea na coluna vertebral, que pode se fundir; Em casos avançados, isso pode levar à deformidade da coluna vertebral.

espondilite anquilosante geralmente afeta homens em seus adolescentes e 20 anos, mas pode afetar qualquer pessoa de qualquer idade. É mais comum nos homens e tende a ser mais suave quando ocorre nas mulheres, tornando mais difícil o diagnóstico.

Também exploraremos como essa forma de artrite é diagnosticada, como os sintomas podem ser aliviados através de tratamentos de drogas e fisioterapia, além de informações sobre como reduzir o risco de espondilite anquilosante.

A espondilite anquilosante é um tipo de artrite. Ela afeta principalmente a parte inferior da coluna vertebral, e onde se junta aos quadris (articulações sacroilíacas). A espondilite anquilosante pode ser difícil de diagnosticar, mas tem um padrão particular de sintomas de dor, e pode ser observada em raios-X e ressonância magnética.

Não há cura para a espondilite anquilosante, mas a dor e a inflamação podem ser administradas com drogas. A terapia também pode aliviar e prevenir alguns dos efeitos da espondilite anquilosante.

Quais são os Sintomas da Espondilite Anquilosante?

Os três principais sintomas que caracterizam a espondilite anquilosante são a dor, a rigidez e a perda da mobilidade. A dor é o principal sintoma da espondilite anquilosante, especialmente na parte inferior das costas e nádegas nas fases iniciais da doença.

Embora a dor nas costas seja um sintoma-chave da espondilite anquilosante, a inflamação não se limita à coluna vertebral, e é sistêmica, o que significa que inflamação e dor também podem surgir em outras partes do corpo, tais como no pescoço, na parte superior do osso das canelas nas pernas, sob o calcanhar do pé e atrás do mesmo, e em outras articulações (sintomas de sinovite e artrite)

A espondilite anquilosante pode causar a chamada fusão óssea, um crescimento excessivo de ossos nas articulações. Isso pode dificultar a realização das tarefas diárias. Em alguns casos, isso pode restringir o movimento do baú e dificultar a respiração.

As pessoas com espondilite anquilosante também podem sofrer fadiga, um sentimento de estar cansado e ter pouca energia a maior parte do tempo.

Em cerca de um quarto dos casos, a espondilite anquilosante também afeta os olhos, incluindo a íris (a parte colorida do olho) e outras partes do aparelho de olho à sua volta. Esta inflamação (conhecida como irite ou uveíte, dependendo da localização) pode causar vermelhidão e dor e pode prejudicar a visão prejudicando a visão se não for tratada.

Outros sinais sistêmicos da doença podem incluir alterações neurológicas e cardiovasculares

A Espondilite Anquilosante Tem Cura? Quais São os Tratamentos?

A espondilite anquilosante não pode ser curada nem prevenida, e os danos causados ​​por ela não podem ser revertidos. Entretanto, existem algumas opções disponíveis para ajudar a aliviar os sintomas e gerenciar a progressão.

Essas opções incluem drogas, terapias físicas e exercícios, além de cirurgia nos casos raros.

O passo mais importante para as pessoas que sofrem de espondilite anquilosante é buscar ajuda de médicos, incluindo reumatologistas. Isso pode exigir uma série de visitas clínicas à medida que a doença progride lentamente. No entanto, cuidados médicos adequados permitem melhores programas de monitoramento e tratamento.

As abordagens tipicamente usadas no tratamento da espondilite anquilosante são as drogas para reduzir a dor e a inflamação e fisioterapia e exercícios para manter o movimento e a postura.

A cirurgia é usada raramente, em casos graves, para corrigir uma grande deformidade. Por exemplo, quando a coluna está dobrada demais, ou para substituir uma articulação, como na substituição do quadril.

Tratamentos a Base de Drogas

As principais drogas utilizadas para aliviar a dor e a inflamação da espondilite anquilosante são anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), como ibuprofeno, naproxeno e diclofenaco. O acetaminofeno e a codeína também são opções se os AINEs não são adequados ou insuficientes.

Alguns AINEs comprometem a saúde óssea, reduzindo a criação de osso novo. É por isso que os pacientes com refluxo vertebral geralmente são informados de não tomar AINEs após a cirurgia. Outras opções de medicamentos estão disponíveis, incluindo corticosteroides injetados localmente, medicamentos anti-reumáticos modificadores de doenças, tal como metotrexato (Trexall, Rheumatrex) e sulfasalazina (Sulfazine e Azulfidine), além de outros tratamentos biológicos, como secukinumab (Cosentyx).

Exercícios Físicos e Fisioterapia

Exercícios físicos e fisioterapia para espondilite anquilosante podem ajudar a prevenir sintomas. Um fisioterapeuta irá projetar um programa que possa ajudar os pacientes a manter uma boa postura e movimento nas articulações. Isso pode incluir treinos especiais, exercícios diários e exercícios terapêuticos. Os exercícios de fisioterapia são referidos como exercícios de alcance de movimento e de fortalecimento. Há diversas maneiras de fazê-los, incluindo água.

Devido à natureza sistêmica da espondilite anquilosante, os pacientes podem se encontrar com médicos de uma ampla gama de disciplinas, incluindo gastroenterologista, oftalmologista e fisiatra (médico especialista em medicina física e de reabilitação).

Quais são as Causas da Espondilite Anquilosante?

Os médicos sabem bastante sobre como a espondilite anquilosante se desenvolve e quais são os sintomas, mas ainda estão tentando entender quais são as causas da espondilite anquilosante.

Os sintomas da espondilite anquilosante são causados ​​por inflamação das partes da coluna inferior. Tal inflamação pode levar a dano e fusão, através do crescimento do osso novo.

A fusão pode se desenvolver como resultado da inflamação dos tecidos que se conectam aos ossos, mas ainda não se sabe por que esse processo inflamatório crônico ocorre em pessoas com espondilite anquilosante.

A condição geralmente corre em famílias e é conhecido por ter um componente genético.

 

Como Diagnosticar a Espondilite Anquilosante?

O primeiro passo para o diagnóstico da espondilite anquilosante é uma consulta com um médico que também realizará um exame físico e providenciará testes, se estes forem necessários. Entretanto, há características reveladoras que podem ajudar a fazer o diagnóstico. Se o médico observar distúrbios no sono, início gradual de dor nas costas antes dos 40 anos, queixa persistente por mais de 3 meses e rigidez espinhal pelas manhãs, cujos sintomas melhoram com movimentos e exercícios, as chances de tratar-se de espondilite anquilosante são altas.

Os testes de imagem podem confirmar o diagnóstico, mas as mudanças podem não ser imediatamente visíveis nesses testes, o que pode atrasar o diagnóstico.

Testes de imagem

Os testes de imagem que ajudam no diagnóstico são os raios-x, que pode identificar alterações ocorridas na pelve e coluna vertebral, MRI e ultrassom, que podem investigar a espondilite anquilosante.

Exames de sangue

Antes de encaminhar um paciente a um reumatologista e radiologista para maior investigação e imagem, o médico pode solicitar exames de sangue. Embora nenhum teste de sangue possa confirmar a espondilite anquilosante, eles podem adicionar peso a um diagnóstico provável e descartar outras causas de sintomas.

Os testes de inflamação incluem taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR), proteína C-reativa (PCR) e contagem sanguínea completa (CBC). Um teste genético (HLA B27) pode ser pedido. Se outras causas, como a artrite reumatóide, são suspeitas, os testes de fator reumatóide (RF), péptido citrulinado cíclico (CCP) e anticorpos antinucleares (ANA) podem ajudar a descartar essas condições.

Fonte: OPAS

Tags
Mostrar mais

Fisioterapia.com

Encontre no Portal Fisioterapia.com uma grande variedade de notícias, artigos, oportunidades e serviços exclusivos para Profissionais e Acadêmicos de Fisioterapia ou interessados pela área.

Publicações relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conferir também

Close
Close