OS BENEFÍCIOS E A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA

0
4101

A Fisioterapia é das ciências mais recentes na área da saúde, mas é também uma das ciências com maior desenvolvimento e onde se gera, a cada dia, mais e melhor conhecimento.

Por vezes pensa-se que um problema no ombro está exclusivamente relacionado com alterações nas articulações, nos músculos, tendões e/ou ligamentos naquele ombro; ou que um problema no joelho esquerdo tem origem nas articulações, músculos, tendões ou ligamentos daquele joelho, e por aí em diante. Apesar deste facto, hoje em dia, sabe-se que não é bem assim que funciona.

A Fisioterapia preconiza, cada vez mais, uma visão mais abrangente do ser humano, com base em princípios biomecânicos, em anatomofisiologia, e relação com outras áreas de conhecimento (naturopatia, acupuntura, osteopatia, quiroprática, entre outras).

Quando recorre a um fisioterapeuta queixando-se de uma dor na cervical, o seu tratamento pode passar por corrigir uma disfunção no pé ou por aprender a alongar alguns músculos dos membros inferiores. Quando recorre a um fisioterapeuta para tratar uma inflamação nos tendões do ombro (as comummente faladas “tendinites”), pode vir a descobrir que afinal o problema não é dos tendões na frente do ombro, mas sim dos músculos da omoplata e de uma coluna dorsal demasiado rígida ou com limitações nos movimentos, sendo a “tendinite” uma consequência. Ou até mesmo que afinal a sua dor no ombro tem origem na coluna cervical.

Gray Cook, um dos maiores pensadores da atualidade sobre temas como o treino e a reabilitação física, defende uma lógica designada por “joint by joint approach” (imagem 1), isto é, abordagem articulação por articulação.

Os benefícios e a importância da fisioterapia

Imagem 1 – Abordagem articulação por articulação, de Gray Cook

Isto significa que existem articulações mais propensas a instabilidade e que, por esse motivo, beneficiam com treino de estabilidade e controlo motor; mas também existem articulações mais propensas a rigidez e, como tal, que mais beneficiam de treino de mobilidade e flexibilidade. Por exemplo, uma pessoa com pouca mobilidade nas ancas e na coluna dorsal pode desenvolver, a médio ou longo prazo, em algum momento, dores na coluna lombar ou região sacro-ilíaca.

Por: Sara Costa ( fisioterapeuta)

Fonte: Sapo

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*