Dicas de Saúde

Paralisia Cerebral: o que é, tipos, tratamento, possui cura?

A paralisia cerebral é um termo usado para descrever um conjunto de condições neurológicas que afetam o movimento. Ela é a forma mais comum de incapacidade na infância. A condição torna difícil mover certas partes do corpo. Existem muitos graus de gravidade.

O Que é Paralisia Cerebral?

Devido ao dano a certas partes do cérebro, os movimentos voluntários ou involuntários ou ambos podem ser afetados. A paralisia cerebral não é contagiosa, não afeta necessariamente inteligência ou habilidade cognitiva, e não é progressiva, portanto, não piora com a idade. Algumas pessoas acham que os sintomas da paralisia cerebral melhoram ao longo do tempo. As pessoas com paralisia cerebral tendem a ter uma vida normal e, em muitos casos, pode-se esperar uma boa qualidade de vida.

Quais São os Sintomas da Paralisia Cerebral?

Uma criança com paralisia cerebral pode ter problemas musculares e de movimento, incluindo um tom muscular fraco. O tom muscular refere-se à capacidade automática de uma pessoa de apertar e relaxar o músculo quando necessário.

Os recursos podem incluir:

  • Músculos subdesenvolvidos ou subdesenvolvidos, levando a movimentos rígidos ou flexíveis
  • Pouca coordenação e equilíbrio, conhecido como ataxia
  • Movimentos involuntários de contorção lentos ou atetoses
  • Músculos rígidos que se contraem anormalmente, conhecidos como paralisia espástica
  • Rastejar-se de forma incomum
  • Deitar-se em posições embaraçosas
  • Favorecer um lado do corpo sobre o outro
  • Um alcance limitado de movimento

 

Outros sinais e sintomas da paralisia cerebral incluem:

  • Realização tardia de marcos de desenvolvimento, como rastejar, andar ou falar
  • Problemas de audição e visão
  • Problemas que controlam a veia e os movimentos intestinais
  • Convulsões
  • Problemas com alimentação, sucção e deglutição
  • Assustar-se com facilidade

Os sintomas geralmente começam a aparecer durante os primeiros 3 anos de vida.

 

Quais São os Tipos de Paralisia Cerebral?

Os tipos de paralisia cerebral mais comuns são:

 

Paralisia cerebral espástica – Ela é caracterizada por paralisia e aumento de tonicidade dos músculos, resultante de lesões no córtex ou nas vias daí provenientes. Pode haver um lado do corpo afetado (hemiparésia), os quatro membros afetados (tetraparésia) ou os membros inferiores (diplegia).

 

Paralisia cerebral discinética – (Atetose/Coreoatetose ou Distonia) – Caracterizada por movimentos involuntários e variações na tonacidade muscular resultantes de lesões dos núcleos situados no interior dos hemisférios cerebrais (Sistema Extra-Piramidal).

 

Paralisia cerebral ataxica– Caracterizada por diminuição da tonicidade muscular, incoordenação dos movimentos e equilíbrio deficiente, devidos a lesão ou anomalia no cerebelo ou das vias cerebelosas. O equilíbrio e a coordenação são mais afetados. As tarefas que precisam de habilidades motoras são difíceis, como amarrar cadarços, abotoar camisas e cortar com tesoura.

 

As dificuldades de equilíbrio podem fazer com que a criança ande com os pés distantes. A maioria das crianças com paralisia cerebral atáxica tem inteligência normal e boas habilidades de comunicação, mas algumas podem ter uma fala errática.

 

Paralisia cerebral hipotônica – A paralisia cerebral hipotônica resulta de uma lesão no cerebelo.

Os problemas musculares aparecem mais cedo. A cabeça e o corpo da criança serão flexíveis, “como uma boneca de pano”. Existe apenas uma resistência moderada quando um adulto tenta mover os membros da criança. A criança pode descansar com os cotovelos e joelhos vagamente estendidos, em vez de flexionados. Pode haver dificuldades respiratórias.

Quais São as Causas da Paralisia Cerebral?

O controle muscular ocorre em uma parte do cérebro chamada cérebro. O cérebro é a parte superior do cérebro. Os danos ao cérebro antes, durante ou dentro de 5 anos de nascimento podem causar paralisia cerebral.

 

O cérebro também é responsável pela memória, capacidade de aprender e habilidades de comunicação. É por isso que algumas pessoas com paralisia cerebral têm problemas de comunicação e aprendizagem. O dano no Cerebrum às vezes pode afetar a visão e a audição.

 

Alguns recém-nascidos são privados de oxigênio durante o parto e parto. No passado, pensava-se que essa falta de oxigênio durante o nascimento levava ao dano cerebral. No entanto, durante a década de 1980, a pesquisa mostrou que menos de 1 em cada 10 casos de paralisia cerebral provêm de privação de oxigênio durante o nascimento.

Na maioria das vezes, o dano ocorre antes do nascimento, provavelmente durante os primeiros 6 meses de gravidez.

 

Existem pelo menos três razões possíveis para isso:

 

Desenvolvimento anormal do cérebro

A interrupção do desenvolvimento do cérebro pode afetar a forma como o cérebro se comunica com os músculos do corpo e outras funções.

Durante os primeiros 6 meses de gravidez, o cérebro do embrião ou do feto é particularmente vulnerável.

Os danos podem resultar de mutações nos genes responsáveis ​​pelo desenvolvimento do cérebro, certas infecções, como a toxoplasmose, uma infecção parasitária, vírus herpes e herpes e traumatismo craniano.

 

Leucomalacia periventricular (PVL)

PVL é um tipo de dano que afeta a substância branca do cérebro por causa da falta de oxigênio no útero.

Pode ocorrer se a mãe tiver uma infecção durante a gravidez, como rubéola ou sarampo alemão, pressão arterial baixa, parto prematuro ou se usa uma droga ilegal.

 

Hemorragia intracraniana

Às vezes, o sangramento dentro do cérebro ocorre quando um feto experimenta um acidente vascular cerebral.

O sangramento no cérebro pode impedir o fornecimento de sangue ao tecido cerebral vital, e este tecido pode ficar danificado ou morrer. O sangue escapado pode coagular e danificar o tecido circundante.

Vários fatores podem causar um acidente vascular cerebral em um feto durante a gravidez:

 

  • Um coágulo de sangue na placenta que bloqueia o fluxo de sangue
  • Um distúrbio de coagulação no feto
  • Interrupções no fluxo sanguíneo arterial para o cérebro fetal
  • Pré-eclampsia não tratada na mãe
  • Inflamação da placenta
  • Infecção inflamatória pélvica na mãe

 

Durante a entrega, o risco é aumentado pelos seguintes fatores:

 

  • Urgência por cesariana
  • A segunda etapa do trabalho é prolongada
  • A extração a vácuo é utilizada durante a entrega
  • Anomalias cardíacas fetais ou neonatais
  • Anormalidades do cordão umbilical

Qualquer coisa que aumenta o risco de parto prematuro ou baixo peso ao nascer também aumenta o risco de paralisia cerebral.

 

Fatores que podem contribuir para um maior risco de paralisia cerebral incluem:

 

  • Nascimentos múltiplos, por exemplo, gêmeos
  • Placenta danificada
  • Infecções sexualmente transmissíveis (ITS)
  • Consumo de álcool, drogas ilegais ou substâncias tóxicas durante a gravidez
  • Desnutrição durante a gravidez
  • Malformação aleatória do cérebro fetal
  • Pequena pélvis na mãe
  • Entrega de Breech

 

Dano cerebral após o nascimento

Uma pequena proporção de casos ocorre devido a danos após o nascimento. Isso pode acontecer devido a uma infecção como meningite, lesão na cabeça, acidente de afogamento ou envenenamento.

Quando ocorre o dano, isso acontecerá logo após o nascimento. Com a idade, o cérebro humano torna-se mais resiliente e capaz de suportar mais danos.

Como Tratar e Prevenir a Paralisia Cerebral?

Na maioria das vezes, não é possível prevenir a paralisia cerebral, mas algumas ações podem reduzir o risco. Uma mulher que planeja engravidar deve garantir que todas as vacinas sejam atualizadas.

 

Durante a gravidez, é importante:

 

  • Participe de todas as consultas pré-natais
  • Evite álcool, tabaco e drogas ilegais
  • Execute exercícios regulares, de acordo com o conselho do médico
  • Coma saudavelmente

Para a segunda ou posterior gravidez, pode ser útil identificar possíveis incompatibilidades de Rh, pois isso pode aumentar o risco de paralisia cerebral.

 

Como é Feito o Diagnóstico da Paralisia Cerebral?

Qualquer pai que esteja preocupado com o desenvolvimento de seus filhos deve ver seu médico. O médico irá perguntar aos pais sobre a história e o desenvolvimento da criança e a história médica da mãe durante a gravidez.

 

O médico examinará a criança e observará sua postura, movimentos, tônus ​​muscular, habilidades motoras e verificará os reflexos da criança. Se apropriado à idade, o médico pode encaminhar a criança para um psicólogo educacional para avaliar o desenvolvimento intelectual.

 

Fonte: OPAS

Tags
Mostrar mais

Fisioterapia.com

Encontre no Portal Fisioterapia.com uma grande variedade de notícias, artigos, oportunidades e serviços exclusivos para Profissionais e Acadêmicos de Fisioterapia ou interessados pela área.

Publicações relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close