PIT BULL TETRAPLÉGICO APRENDE A ANDAR APÓS FISIOTERAPIA EM ARARAQUARA, SP

0
1178

Jon foi diagnosticado com lesão no pescoço e teve a eutanásia recomendada.
‘Agora nós vemos ele feliz, todo tortinho, mas começando a andar’, diz dona.

A luta ainda é grande, mas os resultados aparecem cada vez que Jon tenta firmar as patas no chão. Tetraplégico, o pit bull de dois meses chegou a ter a eutanásia recomendada, mas com sessões de fisioterapia realizadas em Araraquara (SP) está aprendendo a andar.

O filhote apareceu na casa da educadora física Daniela Fais há cerca de quatro semanas, chorando de dor e precisando de ajuda até para comer. Preocupada, a dona levou o cachorro para a primeira consulta e se surpreendeu com o diagnóstico.

“Disseram que ele é tetraplégico e que já não teria muito o que fazer, que seria um caso de eutanásia, já que ele não ia ter nenhuma qualidade de vida, sem movimentação das patas e tudo mais, mas nós não aceitamos”, contou.

Diante do diagnóstico, a família de Araraquara resolveu buscar ajuda em outra cidade e o resultado foi mais positivo do que o imaginado. “Quando achamos outro especialista, ele disse que a fisioterapia seria uma luz no fim do túnel, mas essa luz acabou se tornando um milagre. Agora ele já deu os primeiros passos, ainda anda cambaleando e caindo, mas tentando”, relatou Daniela.

Tratamento
De acordo com o veterinário Rodrigo Ferraz, a situação poderia ter sido pior, mas a idade de Jon ajudou na resposta ao tratamento. “Foi uma lesão no começo das vértebras do pescoço, e dos males até que foi o menor, porque a gente poderia ter tido paralisação da parte respiratória. O bom foi que é uma idade muito boa e a gente consegue ter uma resposta de tratamento muito bacana”, explicou.

A garra de Jon também tem colaborado. Com passos desordenados, o filhote está surpreendendo todos os envolvidos na história e o objetivo da família é vê-lo correr e fazer bagunça.

Agora nós vemos ele alegre, feliz, todo tortinho, mas começando a andar, então eu e minha mãe ficamos emocionadas mesmo. Tudo isso valeu e vale a pena para realizar meu sonho, que é ver o Jon brincando, pulando e destruindo a casa”, disse Daniela sem esconder a emoção.

Apoio
Até agora, Jon passou por sete sessões de acupuntura, ozônioterapia e fisioterapia e, como o tratamento é caro, Daniela criou a página ‘Jon, o cãozinho tetraplégico’ para pedir ajuda. Itens para rifas e doações também estão sendo recebidos pela família.

Fonte: G1.Globo.com

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*