PROTOCOLO DE FISIOTERAPIA PARA A DOENÇA DE LEGG-CALVÉ-PERTHES

0
1534

Legg-Calvé-Perthes é uma doença pediátrica rara que causa necrose avascular da anca e resulta nas seguintes deficiências: dor, diminuição da amplitude de movimento, força e equilíbrio e alterações na marcha.

legg_history

De acordo com o Guide for Physical Therapy Practice da APTA, para que 80% dos pacientes com doença de Legg-Calvé-Perthes atinja os seus objetivos e resultados esperados o número de consultas previstas com o fisioterapeuta é de 3 a 36. As técnicas de terapia manual sugeridas para esta população são:

  • Tração manual,
  • Massagem terapêutica dos tecidos conjuntivos,
  • Mobilização das articulações periféricas .

As modalidades de eletroterapia sugeridas incluem a estimulação elétrica e biofeedback, a estimulação elétrica neuromuscular (EENM) e a estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS).

Os principais objetivos do tratamento conservador de DLCP são promover e otimizar a amplitude de movimento, força e preservação da articulação para minimizar as sequelas e maximizar a função. A contenção da cabeça femoral no acetábulo é o objetivo mais importante durante cada fase da DLCP.

O Cincinnati Children’s Hospital desenvolveu um protocolo de tratamento clínico para o tratamento conservador da DLCP. Abaixo está um resumo das intervenções recomendadas.

Aliviar a dor

  • Aplicação de calor local combinado com alongamentos suaves
  • Crioterapia por períodos nunca superiores a 20min
  • Melhorar a força muscular
    • Exercícios resistidos dos abdutores, flexores, extensores, rotadores internos e externos da anca
    • Dar especial enfase ao glúteo médio

    * Durante as fases mais graves da doença evite atividades de apoio num só pé devido ao aumento excessivo da força transmitida através da articulação da anca

    Melhorar a amplitude de movimento

    Normalmente existe uma perda significativa de amplitude articular nesta população, devido à resposta automática de defesa à dor que torna o músculo mais contraturado e encurtado.

    • Alongamento estático da musculatura do membro inferior
    • Alongamentos dinâmicos passivos e ativos assistidos dos músculos encurtados devido à dor
    • Alongamento ativo e ativo assistido a seguir aos passivos para manter a amplitude de movimento recém- adquirida
    • O alongamento deve incluir os seguintes grupos musculares : rotadores internos e externos, abdutores e extensores da anca, e qualquer outro movimento esteja significativamente limitado.
    • Atividades funcionais
      • Atividades funcionais dinâmicas, como subir degraus e subir degraus de lado, de acordo com a fase da doença.

      Exercícios para casa/desporto

      • crioterapia durante 20 min de cada vez pode ser utilizada para diminuir a dor e inflamação
      • O programa de exercícios para casa deve ser baseado nas recomendações do ortopedista com base no estado de evolução e idade de início da doença, os dados radiológicos , e o estado do paciente

      Fisioterapia pós- cirurgia

      Não existe nenhuma evidência sobre as melhores intervenções de fisioterapia no pós-operatório de uma osteotomia femoral em crianças com DLCP.

      • A criança provavelmente não conseguirá deambular durante 6-8 semanas
      • Durante este período deve ser trabalhada a amplitude de movimento das articulações acima e abaixo do local da cirurgia para evitar a rigidez e fraqueza muscular
      • Uma vez que o gesso seja removido, exercícios resistidos de fortalecimento e amplitude de movimento devem ser iniciados para restaurar a força perdida durante a imobilização

Alongamentos estáticos realizados por 30 segundos seguidos de contrair-relaxar do mesmo grupo muscular devem ser feitos todos os dias, seguidos de exercícios de mobilização ativa para restaurar e manter a amplitude de movimento completa

Referencias:

  1. Cincinnati Children’s Hospital Medical Center. Evidence-based care guideline for conservative management of Legg-Calve-Perthes disease in children aged 3 to 12 years. Cincinnati (OH): Cincinnati Children’s Hospital Medical Center; 2010 Oct.
  2. Nadler, S.F.; Weingand, K.; and Kruse, R.J.: The physiologic basis and clinical applications of cryotherapy and thermotherapy for the pain practitioner. Pain Physician, 7(3):395-9, 2004
  3. Kisner C., Colby L.A. Therapeutic Exercise: Foundations and Techniques. 5th ed. Philadelphia, PA: F.A. Davis Company; 2007.

Fonte:Fisioterapia Joao Maia

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*