REABILITAÇÃO VESTIBULAR

0
22643

LABIRINTITE X REABILITAÇÃO VESTIBULAR

Quem já não ouviu falar em “labirintite”?

Muito comum em pessoas idosas, porém ultimamente não é somente em pessoas idosas que a labirintite tem surgido juntamente com seus sintomas.

Primeiramente o que é LABIRINTITE?
Eu poderia ficar horas e mais horas aqui falando com vocês sobre este assunto, primeiramente por ser um dos meus favoritos e também por ser bem extenso e complexo. Porém vou me limitar somente a explicar o que é, onde se localiza e sinais e sintomas neste primeiro momento.
O que é? Termo popular, geralmente utilizado em problemas relacionados ao equilíbrio, ou melhor dizendo, a perda dele.
As causas podem ser trauma ou lesão à sua cabeça ou na orelha, infecções bacterianas: Se for encontrado em estruturas próximas, como o ouvido médio, alergias, abuso de álcool,tumor benigno no ouvido médio, certos medicamentos tomados em doses elevadas, hereditariedade, associadas aos sintomas de ATM, DTM e ESTRESSE.
Todas essas causas estarão sempre relacionadas ao labirinto, responsável nas funções da audição e do equilíbrio. Fica incrustado no osso temporal, um dos ossos do nosso crânio.
A parte anterior do labirinto (cóclea) relacionada com a audição. A parte posterior (um conjunto de três canais chamados de semicirculares) relacionada com o equilíbrio.
A estrutura que liga a cóclea ao aparelho vestibular é chamada de vestíbulo, onde começa o labirinto.
Dentro do labirinto ósseo existe um labirinto membranáceo, imerso em um líquido conhecido por perilinfa. No vestíbulo, o labirinto membranáceo divide-se em duas pequenas estruturas, como se fossem bolsas: o utrículo e o sáculo. O labirinto membranáceo é preenchido por um líquido, chamado de endolinfa.

As informações sobre o equilíbrio e a audição chegam ao cérebro através dos nervos vestibular e coclear, respectivamente.

Por este motivo os sinais e sintomas são vertigem, náuseas, vômitos, perda de equilíbrio, dor de cabeça leve, zumbido, perda da audição estes sintomas são freqüentemente provocado ou agravado pelo mover a cabeça, sentar, rolar, ou olhar para cima e podem durar dias ou até mesmo semanas.
Muitos indivíduos que apresentam tais sintomas como a tontura também pode referir outros sintomas como ruídos no ouvido ou na cabeça (zumbido, tinido, sensação de “sopro” no ouvido), diminuição da audição, dificuldade para entender, desconforto a sons mais intensos e agudos, perda de memória, dificuldade de concentração, fadiga física e mental. Isso acontece devido à relação entre o sistema do equilíbrio com a audição e outras funções do sistema nervoso central.
Na verdade, o termo correto a ser usado é “labirintopatia” (para designar as afecções do ouvido interno ou labirinto) e não labirintite, cujo significado correto é a inflamação ou infecção do labirinto, o que é uma manifestação bastante rara. Muitos profissionais também usam o termo “Vestibulopatias” (para designar as afecções que acometem qualquer parte do sistema vestibular ou sistema de equilíbrio) esses dois termos são mais adequados.
De tudo que falamos até agora, uma coisa é certa, tudo está relacionado com o equilíbrio, a manutenção do mesmo é uma função extremamente complexa e envolve muitos órgãos e sistemas. Ou seja, tudo relacionado ao o labirinto, pois ele que informa sobre a direção dos movimentos da cabeça e do corpo (para cima, para baixo, de um lado para o outro, para frente, para trás e até mesmo as rotações), por isso quando ocorre alguma lesão nele, ocorre um déficit no equilíbrio.

E acreditem isso complica e muito o dia-a-dia dessas pessoas impedindo – o até de executar as suas tarefas rotineiras, proporcionando uma má qualidade de vida, causando depressão, baixa estima e até mesmo exclusão social.

Sintomas de origem muscular/ligamentar, como tonturas e vertigens, atrapalham muito, devido ao receio que a tontura volte a aparecer, a qualquer momento, podendo prejudicar bastante também suas atividades profissionais.É aí que entra a fisioterapia em auxílio aos medicamentos indicados pelo médico otorrino. Por meio de exercícios, conhecido como REABILITAÇÃO VESTIBULAR, ou seja, exercícios de reabilitação do equilíbrio.
A reabilitação vestibular é uma opção terapêutica cujo objetivo é restaurar o equilíbrio do individuo que sofre de patologias que agridem o sistema vestibular de maneira simples e eficaz.
Trata-se de uma série de exercícios físicos realizados com acompanhamento médico que tem como objetivo “reeducar” o organismo a ter equilíbrio.
É realizado por meio de um programa composto por exercícios, com os objetivos no geral
  • Reduzir tontura e sintomas visuais;
  • Melhorar o equilíbrio estático e dinâmico (quando caminhando);
  • Aumentar os níveis de atividade durante o dia-a-dia.

Esses exercícios incluem:

  • Coordenar movimentos de cabeça e olhos;
  • Estimular o sintoma da tontura para desta forma desensibilizar o
  • sistema  vestibular;
  • Melhorar  as habilidades para manter o equilíbrio e caminhar;
  • Melhorar resistência muscular.
Porém devemos lembrar que os exercícios vão variar dependendo de cada tipo de lesão vestibular e de seus sintomas associados.
Este tratamento é indicado por um profissional médico, no caso, pode ser um neurologista ou um Otorrinolaringologista, sendo este último o mais comum a tratar de tais vestibulopatias. Eles podem associar ao uso de medicamento ou não.
Os exercícios serão prescritos pelo terapeuta, baseado em uma avaliação inicial por meio da anamnese, onde serão feito perguntas e testes afim de listar os problemas e determinar os objetivos do tratamento.
Os exercícios prescritos serão baseados na teoria de que expor repetitivamente  um  determinado estímulo que causa a vertigem vai fazer com que o cérebro (sistema nervoso) entenda este estímulo, se acostume com ele e reduza os sintomas da tontura, ou seja repetir um movimento de cabeça por exemplo.
Os exercícios de equilíbrio irão proporcionar melhor equilíbrio na hora de permanecer em pé, de  caminhar e até mesmo nas atividades diárias, através de uma melhora na organização sensorial que é composta por visão, equilíbrio e propriocepção.
 
São utilizados protocolos de exercícios , um dos mais utilizados é o Protocolo de Exercícios de Cawthorne e Cookey que é composto por:
 
A) Movimento de olhos e cabeça, sentado – primeiro lentos, depois rápidos:
  1. – Olhar para cima e para baixo;
2- Olhar para a direita e para a esquerda;
3- Aproximar e afastar o dedo, olhando para ele;
4- Mover a cabeça (lentamente e depois rapidamente) para a direita e para a esquerda com os olhos abertos;
5- Mover a cabeça (lentamente e depois rapidamente) para cima e para baixo com os olhos abertos;
6- Repetir 4 e 5 com os olhos fechados.

B) Movimentos de cabeça e corpo, sentado:

1- Colocar um objeto no chão. Apanhá-lo e elevá-lo acima da cabeça e colocá-lo no chão novamente (olhando para o objeto o tempo todo);
2- Encolher os ombros e fazer movimentos circulares com eles;
3- Inclinar para frente e passar um objeto para trás e para frente dos joelhos.

C) Exercícios em Pé:

1- Repetir A e B2;
2-Sentar e ficar em pé; sentar e ficar em pé novamente;
3- Sentar e ficar em pé; sentar e ficar em pé novamente com os olhos fechados;
4- Ficar em pé, mas girar (dar uma volta para a direita) enquanto de pé;
5- Ficar em pé, mas girar (dar uma volta para a esquerda) enquanto de pé;
6- Jogar uma bola pequena de uma mão para outra (acima do nível do horizonte);
7- Jogar a bola de uma mão para outra embaixo dos joelhos, alternadamente.

D) Outras atividades para melhorar o equilíbrio:

1- Subir e descer escadas (corrimão, se necessário);
2- Enquanto de pé, voltas repentinas de 90 graus (com olhos abertos e, depois, com os olhos fechados);
3- Enquanto caminhando, olhe para a direita e para a esquerda (como em um mercado lendo rótulos);
4- Pratique ficar em um pé só (com o pé direito e depois com o pé esquerdo), com os olhos abertos e depois com os olhos fechados;
5- Em pé, em superfície macia (colchonete ou colchão):
A) Ande sobre a superfície para se acostumar;
B) Andar pé-antepé com os olhos abertos e depois com os olhos fechados;
C) Pratique o exercício 4 em superfície macia;
6- Circular ao redor de uma pessoa que está no centro, que joga uma bola grande (que lhe deve ser devolvida);
7- Andar pela sala com os olhos fechados.
Algumas dicas:
* Realizar de 8 a 10 repetições cada exercício, ou até sentir desconforto.
* Indicado realizar de 2 a 3 vezes na semana.
* Parar a atividade se apresentar ânsia de vômito.
* Durante a realização dos exercícios procurar manter sempre uma postura confortável.
Devemos ressaltar o fato de que estes exercícios têm finalidade fisioterápica e que, portanto, necessitam acompanhamento de profissional habilitado. Os resultados dependem da execução correta e da repetição adequada dos movimentos.
Fonte: fisioterapeutafabiorv

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*