SÍNDROME DE DOR REGIONAL COMPLEXA É RARA AFETAR BRAÇOS E PERNAS

0
2422

Geralmente, se desenvolve após uma lesão, cirurgia, acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco, mas a dor está fora de proporção com a gravidade da lesão inicial

Síndrome de dor regional complexa, você já ouviu falar? É uma forma rara de dor crônica que geralmente afeta um braço ou uma perna. Ela se desenvolve após uma lesão, cirurgia, acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco, mas a dor está fora de proporção com a gravidade da lesão inicial. A causa não é claramente compreendida. O tratamento é eficaz quando iniciado precocemente. Nesses casos, a melhoria e mesmo a remissão são possíveis.

SINAIS E SINTOMAS DE SÍNDROME DE DOR REGIONAL COMPLEXA

– Queimadura contínua ou dor latejante, geralmente em seu braço, perna, mão ou pé
– Sensibilidade ao toque ou ao frio
– Inchaço da área dolorosa
– Alterações na temperatura da pele – às vezes a pele pode estar suada ou fria
– Alterações na cor da pele, que podem variar de branco e manchado a vermelho ou azul
– Alterações na textura da pele, que podem tornar-se macias, finas ou brilhantes na área afetada
– Mudanças no crescimento do cabelo e das unhas
– Rigidez articular, inchaço e lesão
– Espasmos musculares, fraqueza e perda (atrofia)
– Diminuição da capacidade de mover a parte do corpo afetada

Os sintomas podem mudar ao longo do tempo e variam de pessoa para pessoa. De forma mais comum, ocorre dor, inchaço, vermelhidão, alterações notáveis ​​de temperatura e hipersensibilidade (particularmente ao frio e ao toque).

Ao longo do tempo, o membro afetado pode tornar-se frio e pálido e sofrer alterações de pele e unhas, bem como espasmos musculares e aperto. Uma vez que estas mudanças ocorrem, a condição é muitas vezes irreversível.

Síndrome de dor regional complexa, ocasionalmente, pode se espalhar a partir de sua fonte para qualquer outro lugar em seu corpo, como o membro oposto. A dor pode ser piorada pelo estresse emocional. Em algumas pessoas, os sinais e sintomas desaparecem por conta própria. Em outros, podem persistir por meses a anos. O tratamento é provavelmente mais eficaz quando iniciado no início da doença.

QUANDO CONSULTAR UM MÉDICO

Se você sente dor constante e severa que afeta um membro e faz tocar ou mover esse membro parece intolerável, consulte o seu médico para determinar a causa. É importante tratar a síndrome de dor regional complexa precocemente

CAUSAS

Síndrome de dor regional complexa ocorre em dois tipos, com sinais e sintomas semelhantes, mas as causas diferentes:

Tipo 1: Também conhecido como síndrome de distrofia simpática reflexa, esse tipo ocorre após uma doença ou lesão que não danificou diretamente os nervos em seu membro afetado. Cerca de 90 % das pessoas com síndrome de dor regional complexa têm tipo 1.

Tipo 2: Uma vez referida como causalgia, este tipo segue uma lesão nervosa distinta. Muitos casos de síndrome de dor regional complexa ocorrem após um trauma contundente para um braço ou uma perna, como uma lesão por esmagamento, fratura ou amputação.

Outros traumas maiores e menores – como cirurgia, ataques cardíacos, infecções e até mesmo entorse nos tornozelos – também podem levar à síndrome de dor regional complexa. O estresse emocional também pode ser um fator precipitante.

Não é bem compreendido por que essas lesões podem desencadear síndrome de dor regional complexa, mas pode ser devido a uma interação disfuncional entre seus sistemas nervosos central e periférico e respostas inflamatórias inadequadas.

TRATAMENTOS 

Melhoria e até mesmo remissão de síndrome de dor regional complexa é possível se o tratamento começa dentro de alguns meses de seus primeiros sintomas. Muitas vezes, uma combinação de várias terapias é necessária. O seu médico irá adaptar o seu tratamento com base no seu caso específico. As opções de tratamento incluem:

Medicamentos

Os médicos usam vários medicamentos para tratar os sintomas da síndrome da dor regional complexa.

–  Alívio da dor: os analgésicos de venda livre . Seu médico pode prescrever analgésicos mais fortes. Os medicamentos opioides podem ser uma opção. Tomados em doses adequadas, podem proporcionar um controlo aceitável da dor.
– Antidepressivos e anticonvulsivantes: às vezes, antidepressivos, como a amitriptilina, e anticonvulsivantes, como gabapentina são usados ​​para tratar a dor que se origina de um nervo danificado (dor neuropática).
– Corticosteroides: medicamentos esteroides, podem reduzir a inflamação e melhorar amobilidade no membro afetado.
– Medicamentos para perda de osso: o seu médico pode sugerir medicamentos para prevenir ou bloquear a perda óssea, tais como alendronato e calcitonina
– Bloqueio simpático de nervo: injeção de um anestésico para bloquear as fibras de dor em seus nervos afetados pode aliviar a dor em algumas pessoas.
– Anestésicos intravenosos: estudos mostram que baixas doses de um anestésico forte, podem aliviar substancialmente a dor. No entanto, apesar do alívio da dor, não houve melhora na função.

Terapias

– Aplicando calor e frio: aplicar o frio pode aliviar o inchaço e transpiração. Se a área afetada estiver fria, aplicar calor pode oferecer alívio.
– Analgésicos tópicos: estão disponíveis vários tratamentos tópicos que podem reduzir a hipersensibilidade, tais como creme de capsaicina ou patches de lidocaína
– Fisioterapia: exercício suave e orientado dos membros afetados pode ajudar a diminuir a dor e melhorar a amplitude de movimento e força. Quanto mais cedo a doença é diagnosticada, os exercícios mais eficazes podem ser.
– Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS): a dor crônica às vezes é facilitada pela aplicação de impulsos elétricos nas terminações nervosas.
– Biofeedback: em alguns casos, aprender técnicas de biofeedback pode ajudar. No biofeedback, você aprende a tornar-se mais consciente de seu corpo para que você possa relaxar seu corpo e aliviar a dor.
– Estimulação da medula espinhal: o seu médico insere pequenos eletrodos ao longo da medula espinhal. Uma pequena corrente elétrica entregue à medula espinhal resulta em alívio da dor.

Recorrências de síndrome de dor regional complexo ocorrem, às vezes devido a um gatilho como a exposição ao frio ou um estressor emocional intenso. As recorrências podem ser tratadas com pequenas doses de antidepressivos ou outros medicamentos.

Mas acredito que o esporte é o melhor tratamento! Bons treinos!

Por: Ana Paula SimõesMestre em ortopedia e traumatologia pela Santa Casa de São Paulo. Especialista e delegada regional do Comitê de Traumatologia esportiva, médica assistente do grupo de traumatologia da Santa Casa de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Futebol Feminino e membro da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva.

Fonte: Globo Esporte

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*