TOXINA BOTULÍNICA E FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL ESPÁSTICA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

0
609

Botulinum toxin and physiotherapy in children with spastic cerebral palsy: bibliographic revision

Resumo

Introdução: A paralisia cerebral (PC) é definida como uma condição neurológica não progressiva originada em razão de uma lesão no encéfalo imaturo que compromete os movimentos e a postura. A espasticidade está presente em 75% dos casos. Essa patologia tem incidência na população de aproximadamente 2 em cada 1.000 nascidos vivos e pode chegar a até 7 por 1.000 em países em desenvolvimento. O objetivo do estudo foi realizar uma revisão bibliográfica por meio da seleção e análise criteriosa de artigos científicos que relatem os efeitos da aplicação da toxina botulínica tipo A associada à fisioterapia em crianças com paralisia cerebral espástica. Materiais e métodos: Foi realizada uma revisão bibliográfica nas bases de dados eletrônicas MEDLINE, LILACS e SciELO, no período de 1997 a 2009. Os descritores utilizados foram: “paralisia cerebral” e “espasticidade muscular”, combinados com “toxina botulínica tipo A” e “fisioterapia”. Resultados: Somando-se todos os bancos de dados, um total de 50 artigos que continham os desfechos de interesse dessa revisão foram encontrados, no entanto, alguns artigos aparecem em mais de uma busca e em duplicidade de idioma. Então, 23 artigos foram utilizados neste estudo. Discussão: Vários estudos demonstram que, para maior efetividade da toxina botulínica tipo A, esta deve ser associada a um programa fisioterapêutico que sempre deve considerar as etapas do desenvolvimento motor da criança. Considerações finais: De acordo com a revisão bibliográfica apresentada, a TBA associada à fisioterapia para o controle da espasticidade se mostra bastante eficaz. Contudo, novas pesquisas acerca deste assunto são necessárias. [#] [P]

Palavras-chave: Paralisia cerebral. Espasticidade. Toxina botulínica tipo A. Fisioterapia.

Abstract

Introduction: Cerebral palsy (CP) is defined as a non-progressive neurological condition stemming from a lesion of the immature encephalon, which compromises movements and posture. Spasticity is present in 75% of the cases. This pathology has an incidence of approximately two in every thousand live births and can reach up to seven per thousand in developing countries. The objective of the study was to realize a bibliographic revision through an informed selection and analysis if scientific articles that report the effects of the application of botulinum toxin A in association with physiotherapy in children with spastic cerebral palsy. Materials and methods: A bibliographic revision was carried out at electronic data bases, MEDLINE, LILACS e SciELO, for the period of 1997 to 2009. The keywords used were “cerebral palsy” and “muscular spasticity” combined with “botulinum toxin type A”, “physiotherapy”. Results: Adding up all the data bases, a total of 50 articles containing the revision’s items of interest were found, though some articles appear in more than one search and in duplication of language. Consequently, 23 articles were used in this study. Discussion: Various studies show that for a greater effectiveness of botulinum toxin type A, it must be associated to a physiotherapeutic program that must always be in accordance to the stages of the motor development of the child. Final considerations: According to the bibliographic revision presented, BTX-A associated to physiotherapy for the control of spasticity proved rather effective. However, new studies regarding this matter are necessary. [#]

[K] Keywords: Cerebral palsy. Spasticity. Botulinum toxin type A. Physiotherapy.

Por: Milena Silva Teles[a], Enilda Marta Carneiro de Lima Mello[b]

[a] Acadêmica do curso de Fisioterapia no Centro Universitário Unieuro, Brasília, DF – Brasil.

[b] Fisioterapeuta, Mestre em Biologia Urbana, professora e supervisora do estágio de neurologia adulto do Centro Universitário Unieuro, Brasília, DF – Brasil.

Fonte:  Scielo – Fisioter Mov. 2011 jan/mar;24(1):181-90

SEM COMENTÁRIOS

O QUE ACHOU DESTE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO.

*